Terapia hormonal a longo prazo para as mulheres na peri-menopausa e pós-menopausa

Essa tradução não está atualizada. Por favor clique aqui para ver a versão mais recente em inglês desta revisão.

A terapia hormonal (TH) é utilizada para controlar os sintomas da menopausa. Também tem sido usada para o controle e prevenção de doenças crônicas, como doença cardiovascular, osteoporose e demência em mulheres mais velhas. A presente revisão avaliou os efeitos clínicos do uso de TH por um ano ou mais. Vinte e três estudos duplo cegos randomizados (envolvendo 42.830 mulheres com idade entre 26 e 91 anos) comparou a TH (todos os estrogênios, com ou sem progesterona, administrados por via oral, transdérmico, subcutâneo ou intranasal) com placebo quando tomados por pelo menos um ano. A maioria das participantes eram mulheres americanas pós-menopausadas, com idade média, na maioria dos estudos, maior que 60 anos. Nenhum estudo focou em mulheres na peri-menopausa. Em mulheres na pós-menopausa relativamente saudáveis ​​(14 estudos), a TH combinada contínua aumentou significativamente o risco de obstrução venosa por coágulo sanguíneo (tromboembolismo venoso), ataque cardíaco fatal ou não fatal (após um ano de uso), acidente vascular cerebral (após três anos de uso), câncer de mama, doença da vesícula biliar, morte por câncer de pulmão, e demência em mulheres com mais de 65 anos. Estrogênio isolado a longo prazo aumentou significativamente o risco de tromboembolismo venoso, acidente vascular cerebral e doença da vesícula biliar. Entre as mulheres na pós-menopausa com doenças cardiovasculares (seis estudos), o uso em longo prazo de TH combinada aumentou significativamente, o risco de tromboembolismo venoso, especialmente nos primeiros dois anos de utilização, e de doença da vesícula biliar. TH foi associada a redução significativa do risco de fratura óssea, mas apenas após quatro ou cinco anos de tratamento com TH, enquanto o risco de evento cardiovascular com TH combinada ocorre no primeiro ano de uso. Não houve nenhuma evidência convincente de que a TH previne o câncer colorretal.

Conclusão dos autores: 

TH não é indicada para a prevenção primária ou secundária de doenças cardiovasculares ou demência, tampouco para prevenir a deterioração da função cognitiva em mulheres pós-menopausadas. Embora a TH seja considerada eficaz para a prevenção da osteoporose na pós-menopausa é geralmente recomendada como uma opção apenas para as mulheres em situação de risco significativo, para as quais as terapias não estrogênicas são inadequadas. Os dados existentes são insuficientes para avaliar o risco de uso de TH a longo prazo em mulheres na peri-menopaisa e pós-menopausa, com menos de 50 anos de idade.

Leia o resumo na íntegra...
Contexto: 

A terapia hormonal (TH) é amplamente utilizada para controlar os sintomas da menopausa e também tem sido utilizada para o controle e prevenção de doenças cardiovasculares, osteoporose e demência em mulheres mais velhas. Esta é uma versão atualizada de uma revisão Cochrane publicada em 2005.

Objetivos: 

Avaliar os efeitos do TH a longo prazo sobre a mortalidade, os efeitos cardiovasculares, câncer, doença da vesícula biliar, fraturas, cognição e qualidade de vida em mulheres na peri-menopausa e pós-menopausa, durante e após cessar o uso da TH

Estratégia de busca: 

Pesquisamos as seguintes base de dados até Fevereiro de 2012: Cochrane Menstrual Disorders e Subfertility Group Trials Register, Cochrane Central Register of Controlled Trials (CENTRAL), MEDLINE, EMBASE, PsycINFO.

Critérios de seleção: 

Incluímos estudos randomizados duplo cegos de TH versus placebo, tomados por pelo menos uma ano por mulheres na peri-menopausa ou pós-menopausa. TH incluiu estrógeno com ou sem progestestagênios, via oral, transdérmico, subcutâneo ou intranasal.

Coleta dos dados e análises: 

Dois autores avaliaram independentemente a qualidade dos estudos e extraíram os dados. Calculamos o risco relativo (RR) para dados dicotômicos e as diferenças das médias (DM) para dados contínuos, com intervalo de confiança de 95% (IC). Onde os resultados foram estatisticamente significante, calculamos o risco absoluto (RA) no grupo intervenção (o risco geral de um evento em mulheres tomando TH).

Resultados principais: 

Vinte e três estudos envolvendo 42.830 mulheres foram incluídos. Setenta por cento dos dados foram obtidos de dois estudos (WHI 1998 e HERS 1998). A maioria das participantes eram mulheres americanas pós-menopausadas com pelo menos algum grau de comorbidade, e a média de idade das participantes, na maioria dos estudos foi mais de 60 anos. Nenhum dos estudos focou em mulheres na peri-menopausa. Em mulheres pós-menopausadas relativamente saudáveis ​​(em boa forma, sem doença manifesta), TH combinadas contínua aumentou significativamente o risco de um evento coronariano (após o uso de um ano: RA 4 em 1000, IC 95% 3-7), tromboembolismo venoso (após um ano utilização: RA 7 em 1000, IC 95% 4-11), acidente vascular cerebral (após três anos de uso: RA 18 em 1000, IC 95% 14-23), câncer de mama (após 5,6 anos de uso: RA 23 em 1000 , IC 95% de 19-29), doença da vesícula biliar (após 5,6 anos de uso: RA 27 em 1000, IC 95% 21-34) e morte por câncer de pulmão (após 5,6 anos de uso mais 2,4 anos de seguimento adicional: RA 9 em 1000, IC 95% 6-13). TH com estrogênio isolado aumentou significativamente o risco de tromboembolismo venoso (após um a dois anos de uso: RA 5 em 1000, IC 95% 2-10; após sete anos de uso: RA 21 em 1000, IC 95% 16-28), acidente vascular cerebral (depois de sete anos de uso: RA 32 em 1000, IC 95% 25-40) e doença da vesícula biliar (depois de sete anos de uso: RA 45 em 1000, IC 95% 36-57), mas não aumentou significativamente o risco de câncer de mama. Entre mulheres com idade superior a 65 anos que estavam relativamente saudáveis e usavam TH combinada contínua, houve um aumento estatisticamente significante na incidência de demência (depois de quatro anos de uso: RA 18 em 1000, IC 95% 11-30). Entre as mulheres com doença cardiovascular, o uso a longo prazo de TH combinada contínua aumentou significativamente o risco de tromboembolismo venoso (em um ano: RA 9 em 1000, IC 95% 3-29). Mulheres tomando TH tiveram uma diminuição significativa da incidência de fraturas com o uso de longo prazo (após 5,6 anos de TH combinada: RA 86 em 1000, IC 95% 79-84; após 7,1 anos de o uso de TH com estrogênio isolado: RA 102 em 1000, IC 95% 91-112). O risco de fratura foi o único resultado para o qual houve forte evidência do benefício clínico da TH. Não houve nenhuma evidência forte de que a TH tem um impacto clinicamente significante na incidência de câncer colorretal.

Um ensaio clinico analisou subgrupos de 2.839 mulheres relativamente saudáveis, ​entre 50 e 59 anos, tomando TH combinada contínua, e 1.637 tomando TH com estrogênio isolado versus grupos placebos de tamanhos similares. O único aumento significativo do risco relatado foi tromboembolismo venoso em mulheres tomando TH combinada contínua: o risco absoluto permaneceu baixo, em menos de 1/500. No entanto, outras diferenças de risco não podem ser excluídos porque esse estudo não foi desenhado para ter o poder de detectar diferenças entre os grupos de mulheres com 10 anos de menopausa.

Notas de tradução: 

Traduzido por: Lucia alves S Lara, Unidade de Medicina Baseada em Evidências da Unesp, Brazil Contato: portuguese.ebm.unit@gmail.com

Share/Save