Podcast: Uma revisão das atividades para ajudar os profissionais de saúde a compartilhar decisões sobre o cuidado com seus pacientes

É amplamente reconhecido que é necessário dar mais ênfase ao papel do paciente na tomada de decisões sobre seus cuidados de saúde. Mas quais são as melhores maneiras de fazer isso acontecer? Algumas das respostas estão na atualização de julho de 2018 de uma Revisão da Cochrane sobre tomada de decisão compartilhada e pedimos a principal autora, France Légaré, da Université Laval em Québec, no Canadá, para nos dizer por que isso é importante e o que encontraram.

- Leia a transcrição

Monaz: É amplamente reconhecido que é necessário dar mais ênfase ao papel do paciente na tomada de decisões sobre seus cuidados de saúde. Mas quais são as melhores maneiras de fazer isso acontecer? Algumas das respostas estão na atualização de julho de 2018 de uma Revisão da Cochrane sobre tomada de decisão compartilhada e pedimos a principal autora, France Légaré, da Université Laval em Québec, no Canadá, para nos dizer por que isso é importante e o que encontraram.

France: Eu pratico medicina familiar desde 1990 e treino médicos de família há muitos anos. Tenho visto muitas decisões difíceis que os pacientes enfrentam todos os dias sobre tudo, desde a triagem até as opções de tratamento, e sempre suspeitei que os médicos de família poderiam fazer as coisas de maneira diferente para melhor apoiar seus pacientes na tomada de decisões. Muitas vezes, o médico toma a decisão pelo paciente ou os pacientes o fazem por conta própria. Mas isso poderia ser diferente. Os médicos poderiam mudar como explicam as evidências científicas ao paciente. Eles poderiam ajudar os pacientes a descobrir o que é mais importante para eles pessoalmente, sobre os prós e contras das opções disponíveis. Chamamos esse processo de tomada de decisão compartilhada, e acredito não apenas que os médicos podem aprender a fazer isso melhor, mas que essa é a forma ética a ser feita. Nós fizemos essa revisão para descobrir as melhores maneiras de incentivar os profissionais de saúde a fazer isso, e ter várias coisas para sugerir.
Esta é a segunda atualização de nossa revisão de estudos de intervenções que incluem, entre outras coisas, programas de treinamento, auditoria e feedback, campanhas públicas e auxílio na decisão de pacientes. Nossa primeira revisão foi publicada em 2010, quando havia apenas 5 estudos elegíveis. Até 2014, mais 34 estudos estavam disponíveis para a nossa primeira atualização e agora chegamos a 87 estudos. O número de estudos mais do que dobrou em apenas cinco anos, provavelmente devido ao aumento da conscientização sobre a importância da tomada de decisão compartilhada em comunidades médicas e governos.
É também encorajador ver que mais da metade dos estudos reportaram a conscientização do paciente sobre a tomada de decisão compartilhada, mostrando que mais e mais pesquisadores estão interessados em descobrir o que é mais importante para os pacientes na perspectiva dos pacientes. No entanto, apenas um estudo foi realizado em um país de baixa renda, sugerindo que a tomada de decisão compartilhada ainda é vista como algo apenas para os privilegiados.
Os estudos testaram muitas abordagens diferentes, e muitas foram consideradas eficazes no aumento da tomada de decisão compartilhada, especialmente o uso de auxílio de decisão. No entanto, ao aplicar as regras muito rígidas da Cochrane sobre a qualidade da evidência, descobrimos que poucos estudos atenderam aos altos padrões. Por exemplo, muitos não deram informações suficientes para julgar corretamente a qualidade das evidências que eles produziram. Mas, podemos dizer que em comparação com nenhuma atividade, é claro que algumas intervenções que visam implementar a tomada de decisão compartilhada em práticas clínicas melhoram um pouco a qualidade de vida dos pacientes em termos de saúde mental, mas fazem pouca diferença em sua qualidade de vida em termos de saúde física.
Tendo feito essa atualização e pensando sobre o seu significado para mim como médica de família, encorajarei meus pacientes a usarem o auxílio de decisão. E, como educador, incentivarei os profissionais de saúde a receber treinamento sobre como usá-los. Enquanto, como pesquisador, eu vou encorajar fortemente outros pesquisadores a projetar seus estudos para que a qualidade da evidência seja melhor e a concordar com um conjunto de medidas de tomada de decisão compartilhada que tornariam mais fácil a comparação de estudos.

Monaz: Se você é ou não um médico, educador ou pesquisador; se você quiser saber mais sobre as intervenções na revisão de France, acesse a Biblioteca Cochrane.com e procure por "tomada de decisão compartilhada" para encontrá-la.

Feche a transcrição
Share/Save