Intervenções no ambiente de trabalho para incentivar a amamentação entre mulheres empregadas

Não encontramos nenhum estudo que avaliasse se programas específicos no local de trabalho contribuem para o aumento do tempo de amamentação.

O aleitamento é benéfico tanto para as mães quanto para os lactentes. Contudo, por diversos motivos, as mães empregadas podem ter que voltar a trabalhar pouco tempo depois de terem dado à luz. Se não tiverem o apoio dos seus empregadores, é provável que tenham de separar-se de seus bebês e que encontrem dificuldades em retirar e armazenar o leite, o que pode levar à interrupção da amamentação. Programas no local de trabalho poderiam contribuir para que as mães continuassem a amamentar, sendo que alguns tipos de programas poderiam ajudá-las a iniciar a amamentação. Através da promoção e do apoio a esses programas, os empregadores podem influenciar o tempo que a mulher amamenta (incluindo do aleitamento exclusivo) e dessa forma poderiam contribuir para uma melhor saúde da mãe e seu bebê. Isso também poderia reduzir a taxa de faltas ao trabalho, aumentar a produtividade, a permanência e a satisfação dos empregados. Essa revisão procurou avaliar programas destinados a promoção da amamentação entre as mulheres empregadas que retornam ao trabalho após darem a luz. Não foram encontrados ensaios clínicos randomizados que avaliassem esta importante intervenção. São necessários estudos que avaliem o impacto de intervenções no local de trabalho (incluindo creches e berçários) que visem apoiar ou facilitar a manutenção da amamentação, prolongar sua duração e promover o aleitamento materno exclusivo entre as mulheres empregadas que retornam ao trabalho após darem à luz.

Conclusão dos autores: 

Nenhum estudo avaliou a efetividade de intervenções para promover a amamentação no local de trabalho entre as mulheres que retornaram ao emprego após o parto. O impacto dessas intervenções sobre processos de trabalho ainda é desconhecido. Há necessidade de ensaios clínicos randomizados para avaliar os benefícios de diferentes tipos de intervenções no local de trabalho para apoiar, encorajar e promover a amamentação entre as mulheres que precisam retornar ao trabalho.

Leia o resumo na íntegra...
Contexto: 

Nos últimos anos, houve um crescimento da participação das mulheres no mercado de trabalho. Algumas podem engravidar tendo, por conseguinte, de cuidar de seus bebês. A maioria pode decidir voltar ao trabalho pouco tempo depois de dar à luz, por diversos motivos. A menos que recebam apoio dos seus empregadores e colegas de trabalho, essas mães estarão sujeitas a desistir de amamentar após retornarem ao trabalho. Consequentemente, isso afetará a duração do aleitamento materno exclusivo até a idade recomendada.

O ambiente de trabalho pode desempenhar um papel importante na promoção da amamentação. Existem diversos modelos de intervenções no local de trabalho para incentivar o aleitamento, que não devem ser ignoradas pelos empregadores. A promoção da amamentação no ambiente de trabalho poderá trazer benefícios tanto para a mulher e seu bebê, quanto para o empregador.

Objetivos: 

Avaliar a efetividade de intervenções de apoio e promoção da amamentação no local de trabalho entre mulheres que retornam ao trabalho remunerado após o parto, e seu impacto em processos relevantes para empregados e empregadores.

Estratégia de busca: 

Foi realizada uma busca na Cochrane Pregnancy and Childbirth Group's Trials Register (2 Agosto de 2012).

Critérios de seleção: 

Dois autores independentes avaliaram os ensaios clínicos randomizados ou quasi-randomizados que comparavam intervenções no local de trabalho com nenhuma intervenção ou que comparavam duas ou mais intervenções entre si.

Coleta dos dados e análises: 

Dois autores planejaram extrair os dados e avaliar a qualidade metodológica dos estudos selecionados.

Resultados principais: 

Não foi identificado nenhum ensaio clínico randomizado ou quasi-randomizado.

Tools
Information
Share/Save