Regimes de suplementação de vitamina D durante a gestação

Qual é a pergunta?

Esta revisão avaliou se a suplementação de vitamina D durante a gestação com doses maiores do que as atualmente recomendadas (200 a 600 Unidades Internacionais- UI/dia) teria efeitos benéficos sobre os resultados gestacionais e neonatais. A revisão também avaliou se a suplementação com doses acima do máximo recomendado (4000 UI/d) traria consequências negativas para a saúde.

Por que isso é importante?

A suplementação com vitamina D na gravidez, comparada com a não suplementação, parece diminuir o risco da gestante ter pré-eclâmpsia, diabetes gestacional ou um bebê com baixo peso ao nascer, e pode também reduzir o risco dela ter hemorragia grave após o parto. Porém, não está claro se doses maiores do que os valores atualmente recomendados são necessárias para obter estes efeitos, ou se doses acima do limite superior da recomendação estão associadas com eventos adversos.

O que foi estudado nesta revisão?

Esta revisão incluiu ensaios clínicos (um tipo de estudo) que avaliaram o efeito de diferentes regimes de vitamina D (doses, frequências, duração e períodos de início). Os estudos compararam os efeitos de dar 601 UI/d ou mais versus 600 UI/d ou menos, e 4000 UI/d ou mais versus 3999 UI/d ou menos de vitamina D isolada ou com qualquer outro nutriente sobre vários resultados gestacionais e neonatais.

Que evidência encontramos?

A evidência proveniente de 19 estudos envolvendo 5214 mulheres sugere que dar à uma gestante vitamina D na dose de 601 UI/d ou mais, em vez de 600 UI/d ou menos, pode reduzir o risco dela ter diabetes gestacional, mas parece fazer pouca ou nenhuma diferença no risco dela ter pré-eclâmpsia, parto prematuro ou um bebê com baixo peso ao nascer.

A evidência proveniente de 15 estudos envolvendo 4763 mulheres sugere que a suplementação diária de vitamina D na dose de 4000 UI ou mais, em vez de 3999 UI/d ou menos, pode fazer pouca ou nenhuma diferença no risco de uma gestante ter pré-eclâmpsia, diabetes gestacional, parto prematuro ou um bebê com baixo peso ao nascer.

A maioria dos estudos relatou os eventos adversos de formas diferentes. No geral, houve pouco ou nenhum efeito colateral, ou o número de casos foi semelhante entre os grupos.

O que isso significa?

Dar doses de vitamina D maiores do que as atualmente recomendadas na gestação pode reduzir o risco de ter diabetes gestacional mas pode fazer pouca ou nenhuma diferença no risco de ter outros resultados. Dar doses de vitamina D acima do limite máximo atualmente recomendado na gestação parece não aumentar o risco de ter os resultados avaliados nesta revisão. A suplementação com vitamina D parece ser segura.

Conclusão dos autores: 

A suplementação de vitamina D em doses acima das atualmente recomendadas na gestação pode reduzir o risco de diabetes gestacional mas pode fazer pouca ou nenhuma diferença no risco de ter pré-eclâmpsia, parto prematuro e baixo peso ao nascer. Dar doses de vitamina D acima do limite máximo atualmente recomendado na gestação parece não aumentar o risco de ter os resultados avaliados nesta revisão. No geral, segundo o GRADE, a qualidade da evidência para a maioria dos desfechos primários foi baixa devido ao alto risco de viés e à imprecisão dos resultados. A suplementação com vitamina D parece ser uma intervenção segura durante a gravidez. Porém, os estudos não especificaram os parâmetros utilizados para avaliar os eventos adversos ou eles não foram consistentes entre os estudos. Estudos futuros devem relatar os eventos adversos de forma consistente. Há 16 estudos atualmente em andamento. A publicação dos resultados desses estudos contribuirá para aumentar o corpo das evidências.

Leia o resumo na íntegra...
Introdução: 

A deficiência de vitamina D na gravidez aumenta o risco de pré-eclâmpsia, diabetes gestacional, parto prematuro e baixo peso ao nascer. Numa revisão Cochrane anterior concluímos que a suplementação de vitamina D isolada durante a gestação, em comparação com a não suplementação, pode reduzir os riscos de pré-eclâmpsia, diabetes gestacional e baixo peso ao nascer e pode aumentar o risco de partos prematuros quando combinada com cálcio. Porém, ainda não está claro quais seriam os efeitos dos diferentes regimes de administração da vitamina D.

Objetivos: 

Avaliar os efeitos e a segurança dos diferentes regimes de suplementação de vitamina D isolada ou em combinação com cálcio ou outras vitaminas, minerais e nutrientes durante a gestação. Avaliamos especificamente as doses de 601 unidades internacionais por dia (UI/d) ou mais versus 600 UI/d ou menos; e 4000 UI/d ou mais versus 3999 UI/d ou menos.

Métodos de busca: 

Em 12 de julho de 2018 fizemos buscas no Cochrane Pregnancy and Childbirth Trials Register, ClinicalTrials.gov e WHO International Clinical Trials Registry Platform (ICTRP). Também pesquisamos as listas de referências dos estudos recuperados.

Critério de seleção: 

Incluímos ensaios clínicos randomizados (ECR) que avaliaram o efeito de diferentes regimes de vitamina D (dose, frequência, duração e início da suplementação na gravidez), isolada ou em combinação com outros nutrientes sobre desfechos gestacionais e neonatais. Incluímos apenas os ECRs que compararam 601 UI/d ou mais versus 600 UI/d ou menos, e 4000 UI/d ou mais versus 3999 UI/d ou menos. Não incluímos na análise os grupos que não receberam vitamina D, já que essa comparação foi feita em outra revisão Cochrane.

Coleta dos dados e análises: 

Dois autores de revisão, trabalhando de forma independentemente: i) avaliaram a elegibilidade dos estudos em relação aos critérios de inclusão; ii) extraíram os dados dos estudos incluídos; e iii) avaliaram os riscos de viés dos estudos incluídos. Os desfechos primários maternos foram: pré-eclâmpsia, diabetes gestacional e quaisquer efeitos adversos. Os desfechos primários neonatais foram parto prematuro e baixo peso ao nascer. Avaliamos a acurácia dos dados. Usamos o GRADE para avaliar a qualidade (certeza) da evidência.

Principais resultados: 

Incluímos na revisão 30 ECRs que envolveram 7289 mulheres. Excluímos 11 ECRs, identificamos 16 ECRs em curso/não publicados e dois ECRs estão aguardando classificação. No geral, o risco geral de viés foi incerto.

Comparação 1: 601 UI/d ou mais versus 600 UI/d ou menos de vitamina D isolada ou com qualquer outro nutriente (19 ECRs; 5214 participantes)

A suplementação com 601 UI/d ou mais de vitamina D durante a gravidez, comparada à suplementação com 600 UI/d ou menos, pode fazer pouca ou nenhuma diferença no risco de pré-eclâmpsia (RR 0,96, intervalo de confiança de 95% (IC) 0,65 a 1,42; 5 estudos; 1553 participantes, evidência de baixa qualidade); pode reduzir o risco de diabetes gestacional (RR 0,54, IC 95% 0,34 a 0.86; 5 estudos; 1846 participantes; evidência de qualidade moderada), pode fazer pouca ou nenhuma diferença no risco de parto prematuro (RR 1,25, IC 95% 0,92 a 1,69; 4 estudos; 2294 participantes; evidencia de baixa qualidade); e pode fazer pouca ou nenhuma diferença no risco de ter uma criança com baixo peso ao nascer (RR 0,90, IC 95% 0,66 a 1,24; 4 estudos; 1550 participantes; evidência de qualidade muito baixa).

Comparação 2: 4000 UI ou mais versus 3999 UI ou menos de vitamina D isoladamente (15 ECRs; 4763 participantes)

A suplementação com 4000 UI/d ou mais de vitamina D durante a gravidez, comparada à suplementação com 3999 UI/d ou menos, pode fazer pouca ou nenhuma diferença no risco de: pré-eclâmpsia (RR 0,87, IC 95% 0,62 a 1,22; 4 estudos, 1903 participantes, evidência de baixa qualidade); diabetes gestacional (RR 0,89, IC 95% 0,56 a 1.42; 5 estudos; 2276 participantes; evidência de baixa qualidade); parto prematuro (RR 0,85, IC 95% 0,64 a 1,12; 6 estudos; 2948 participantes, evidência de baixa qualidade); e baixo peso ao nascer (RR 0,92,IC 95% 0,49 a 1,70; 2 estudos; 1099 participantes; evidência de baixa qualidade).

A maioria dos estudos relatou eventos adversos (tais como hipercalcemia, hipocalcemia, hipercalciúria e hipovitaminose D) de formas diferentes. Porém, em geral, houve poucos ou nenhum efeito colateral relatado ou números de casos semelhantes entre os grupos.

Notas de tradução: 

Tradução do Cochrane Brazil (Bianca Fenolio Nigro e Maria Regina Torloni). Contato: tradutores@centrocochranedobrasil.org.br

Tools
Information
Share/Save