Eritropoietina precoce para prevenção de transfusão de glóbulos vermelhos nos pré-termos, recém-nascidos de baixo peso ou pre-termos com baixo peso de nascimento.

Essa tradução não está atualizada. Por favor clique aqui para ver a versão mais recente em inglês desta revisão.

Em recém-nascidos, o número de glóbulos vermelhos na circulação diminui após o nascimento. Em recém-nascidos pré-termo esta diminuição é acentuada pela retirada frequente de sangue, que pode ser necessária para monitorar o estado clínico da criança. Portanto, os recém-nascidos pré-termo irão provavelmente requerer transfusões de glóbulos vermelhos. Baixos níveis de eritropoietina (EPO), uma substância no sangue que estimula a produção de glóbulos vermelhos, em prematuros proporcionam uma base racional para uso de EPO para prevenção ou tratamento da anemia. EPO pode ser dado "precocemente" (antes da criança atingir oito dias de idade), a fim de prevenir ou diminuir a utilização de transfusões de glóbulos vermelhos. Um total de 2209 crianças pré-termos participaram de 27 estudos que utilizaram esta abordagem. O tratamento precoce com EPO reduziu o número de transfusões de glóbulos vermelhos e exposições à doadores após a sua utilização. No entanto, o benefício de EPO pode não ser clinicamente importante já que muitas destas crianças tinham sido expostas a transfusões de glóbulos vermelhos antes do início dos estudos. O tratamento precoce com EPO não teve quaisquer efeitos importantes sobre a mortalidade ou complicações comuns do parto prematuro com excessão de que a EPO pode aumentar o risco de retinopatia da prematuridade, uma complicação grave que pode causar cegueira em bebês pré-termo. Com base em nossos resultados EPO não é recomendado para uso de rotina em prematuros.

Conclusão dos autores: 

A administração precoce de EPO reduz a utilização de transfusões de glóbulos vermelhos, o volume de GV transfundidos, e exposição ao doador após a entrada no estudo. As pequenas reduções são susceptíveis de ser de importância clínica limitada. Exposição ao doador provavelmente não é evitada uma vez que todos, exceto um estudo, incluiu crianças que tinham recebido transfusões de GV antes da entrada do estudo. Nesta atualização não houve aumento significante na taxa de ROP (fase ≥ 3) para estudos que iniciaram o tratamento com EPO em menos de oito dias de idade. Em uma análise post hoc incluindo todos os estudos que apresentaram uma taxa ROP fase ≥ 3, independentemente da idade no início do tratamento, houve um aumento do risco de ROP. As taxas de mortalidade e morbidade, incluindo hemorragia intraventricular e enterocolite necrosante não foram significativamente alterados pelo tratamento precoce com EPO. Desfechos no neurodesenvolvimento em 18 a 22 meses variaram nos estudos publicados até a data pesquisada. Pesquisas em andamento devem lidar com a questão da ROP e avaliar a prática clínica atual que irá limitar a exposição dos doadores. Devido aos benefícios limitados e, possivelmente, o risco aumentado de ROP, a administração de EPO não é recomendada. Darbepoetina requer um estudos futuros. O possível papel neuroprotetor do EPO em recém-nascidos será revisto em revisões Cochrane separadas.

Leia o resumo na íntegra...
Contexto: 

Os baixos níveis plasmáticos de eritropoietina (EPO) em prematuros proporcionam uma base racional para uso de EPO para prevenção ou tratamento da anemia.

Objetivos: 

Avaliar a eficácia e segurança de início precoce da EPO ou darbepoetina (iniciado antes de oito dias após o nascimento) na redução de transfusões de glóbulos vermelhos (GV) em pré-termo e/ou recém-nascidos de baixo peso.

Estratégia de busca: 

A Biblioteca Cochrane, MEDLINE, EMBASE, CINAHL, listas de referências de ensaios clínicos e resenhas identificados, reuniões anuais da Pediatric Academic Societies de 2000 a 2013 (Abstracts2ViewTM) e registros de ensaios clínicos (clinicaltrials.gov; controlled-trials.com; e who.int/ictrp) foram pesquisados ​​em Julho de 2013.

Critérios de seleção: 

Ensaios clínicos controlados randomizados ou parcialmente randomizados com início precoce (< oito dias de idade) do tratamento com EPO versus placebo ou nenhuma intervenção no pré-termo e/ou recém-nascidos de baixo peso.

Coleta dos dados e análises: 

Foram utilizados os métodos da Neonatal Cochrane Review Group.

Resultados principais: 

A revisão atualizada incluiu 27 estudos com um total de 2209 crianças. Um estudo incluindo crianças com idade média maior que oito dias e uma publicação duplicada foram excluídos. Um novo estudo usando darbepoetina foi identificado.

EPO precoce reduziu o risco da utilização de uma ou mais transfusões de GV (razão de risco típica (RR) 0,79; intervalo de confiança (IC) de 95%: 0,73-0,85; diferença típica de risco (RD) -0.14; IC 95%: -0,18 a -0,10; I2 = 54% para ambos; número necessário para tratar para um resultado benéfico adicional (NNTB) 7; IC 95%: 6-10; 16 estudos, 1.661 crianças).

O volume total de GB transfundidos por criança foi reduzido (diferença média típica (DM) 7 mL/kg; IC 95%: -12 a - 2; I2 = 63%; sete estudos, 581 crianças). O número de transfusões de GV por recém-nascido foi minimamente reduzido (típico MD -0,27, IC 95% -0,42 a -0,12; I2 = 64%; 13 estudos, 951 crianças). O número de doadores a quem as crianças foram expostas foi significativamente reduzido (DM -0,54, IC 95% -0,89 a -0,20; I2 = 0%; 3 estudos, 254 crianças).

Houve um aumento não significante no risco de retinopatia da prematuridade (ROP) de estágio ≥ 3, com início precoce de EPO (RR típico 1,37; IC 95%: 0,87-2,17; I2 = 0%; RD típico 0,03; IC 95%: -0.01 a 0,06; I2 = 29%; 7 estudos, 801 crianças). Uma análise post hoc, incluindo todos os estudos que apresentaram ROP estágio ≥ 3, independentemente da idade da criança quando o tratamento com EPO foi iniciado, mostrou um aumento significante de RR típico de 1,48 (IC 95%: 1,02-2,13; P = 0,04; I2 = 0%) e RD típica de 0,03 (IC 95%: 0,00-0,06; P = 0,03; I2 = 50%; 10 estudos, 1.303 crianças), com um número necessário para tratar os danos (NNTH) de 33 (IC 95%: 17 a infinito). Em um estudo italiano no qual os autores compararam o uso precoce de EPO intravenosa com EPO subcutânea a incidência global de fase ≥ 3 foi de 15%, similar à incidência de 17% no estudo de Romagnoli e colaboradores.

As taxas de mortalidade e morbidade, incluindo hemorragia intraventricular e enterocolite necrosante não foram significativamente alterados pelo tratamento precoce com EPO. Desfechos no neurodesenvolvimento em 18 a 22 meses variaram.

Notas de tradução: 

Notas de tradução CD004863.pub4

Share/Save