Suplementação de vitamina A para reduzir a transmissão do HIV da mãe para o filho

Qual o objetivo desta revisão?

O principal objetivo desta Revisão Cochrane foi avaliar os efeitos de administrar suplementos de vitamina A a mulheres positivas para HIV durante a gravidez ou após o parto, ou ambos, sobre o risco de transmissão da infecção para seus filhos. Pesquisadores da Cochrane procuraram todos os estudos relevantes para responder a esta questão. A revisão incluiu cinco ensaios clínicos (um tipo de estudo). Esta é a atualização de uma revisão publicada em 2011.

Qual é a mensagem-chave desta revisão?

Em mulheres com teste de HIV positivo, a administração de vitamina A durante a gravidez ou após o parto, ou ambos, tem pouco ou nenhum efeito sobre o risco de transmissão do HIV das mães para seus filhos (evidência de qualidade moderada).

Quais são os principais resultados da revisão?

Cinco ensaios clínicos preencheram os critérios de inclusão da revisão, Dois estudos foram realizados na África do Sul, um no Malawi, um na Tanzânia, e um no Zimbábue. Os estudos compararam mulheres que receberam suplementos de vitamina A a mulheres que não receberam estes suplementos. Nenhuma das participantes recebeu antirretrovirais (ARV).

Os achados da revisão foram que, em mulheres infectadas pelo HIV e que não recebem ARV:

-a administração de suplementos da vitamina A durante a gravidez, imediatamente após o parto, ou ambos, provavelmente tem pouco ou nenhum efeito no risco de transmissão do HIV da mãe para o filho (evidência de qualidade moderada) e pode ter pouco ou nenhum efeito sobre o risco da criança morrer até os dois anos de idade (evidência de baixa qualidade);

-a administração de suplementos de vitamina A durante a gravidez pode aumentar o peso médio de nascimento do bebê (evidência de baixa qualidade) e provavelmente reduz o número de bebés com baixo peso (menos de 2,5 Kg) ao nascer (evidência de qualidade moderada). Porém, não há certeza se a intervenção tem algum efeito no número de bebês que nascem prematuros ou mortos, nem no número de mulheres que morrem (evidência de qualidade muito baixa).

Essa intervenção tem sido largamente substituída pelo uso de ARVT, que está amplamente disponível e é efetivo na prevenção da transmissão do HIV da mãe para o filho.

Quão atualizada é esta revisão?

Os autores buscaram por todos estudos que haviam sido publicados até 25 de agosto de 2017.

Conclusão dos autores: 

A suplementação de vitamina A na gravidez, no pós-parto, ou em ambos momentos, provavelmente tem pouco ou nenhum efeito na transmissão vertical do HIV, em mulheres infectadas com o vírus e que não estão recebendo antirretrovirais. Essa intervenção tem sido largamente substituída pelo uso de ARV, que está amplamente disponível e é efetivo na prevenção da transmissão vertical do HIV.

Leia o resumo na íntegra...
Contexto: 

Existem várias estratégias para reduzir o risco de transmissão vertical do vírus da imunodeficiência humana (HIV), tais como: o uso de antirretrovirais (ARV) por toda vida por todas mulheres positivas para o HIV, aleitamento materno exclusivo até a sexta semana de vida associado a nevirapina, ou leite artificial mais nevirapina até quatro a seis semanas pós-parto, parto por cesariana eletiva, e evitar que as crianças recebam alimentos previamente mastigados pelas mães. Em alguns lugares, estas intervenções podem não ser práticas, viáveis, ou financeiramente acessíveis. Intervenções simples, de baixo custo e efetivas (potencialmente implementáveis mesmo sem o rastreamento antenatal do HIV) seriam valiosas. Uma das intervenções sugeridas nessas situações é a suplementação de vitamina A. Isso se deve ao baixo custo dessa vitamina e ao importante papel que ela exerce sobre a imunidade.

Objetivos: 

Avaliar os efeitos da suplementação de vitamina A em mulheres positivas para o HIV durante a gravidez e após o parto.

Estratégia de busca: 

Em 25 de agosto de 2017, fizemos buscas nas seguintes bases de dados: Cochrane Central Register of Controlled Trials (CENTRAL), PubMed, Embase, e na World Health Organization International Clinical Trials Registry Platform. Também revisamos as listas de referências de artigos relevantes para identificar estudos elegíveis.

Critérios de seleção: 

Incluímos ensaios clínicos randomizados (ECRs), conduzidos em qualquer lugar, que compararam suplementação de vitamina A versus nenhuma intervenção em mulheres HIV positivas, durante a gravidez ou após o parto, ou ambos.

Coleta dos dados e análises: 

Pelo menos dois revisores, trabalhando de forma independente, avaliaram a elegibilidade dos estudos e fizeram a extração dos dados. Apresentamos os resultados como razão de risco (RR) ou diferença média (DM), com seus respectivos intervalos de confiança (IC) de 95%. Para as metanálises, usamos o modelo de efeitos aleatórios. Esta é a atualização de uma revisão publicada em 2011.

Resultados principais: 

Cinco ECRs preencheram os critérios de inclusão. Estes estudos foram conduzidos entre 1995 e 2005 nos seguintes países: Malawi, África do Sul, Tanzânia, e Zimbábue. Nenhumas das participantes recebeu ARV. As mulheres do grupo intervenção receberam suplementos de vitamina A em diferentes doses: diariamente durante a gravidez, dose única imediatamente após o parto, ou doses diárias durante a gravidez mais dose única após o parto. As mulheres dos grupos controle receberam placebo idêntico aos suplementos (6601 mulheres, 4 ECRs) ou não receberam nenhuma intervenção (697 mulheres, 1 ECR). Quatro ECRs (6995 mulheres) tinham baixo risco de viés e um ECR (303 mulheres) tinha alto risco de viés de atrito.

A administração de suplementos de vitamina A para mulheres positivas para o HIV durante a gravidez, no pós parto imediato, ou ambos, provavelmente tem pouco ou nenhum efeito na transmissão vertical do HIV (RR 1,07, IC 95% 0,91 a 1,26, 4428 mulheres, 5 ECRs, evidência de qualidade moderada) e pode ter pouco ou nenhum efeito no risco da criança morrer até os dois anos de idade (RR 1,06, IC 95% 0,92 a 1,22, 3883 mulheres, 3 ECRs, evidência de baixa qualidade). Porém, administrar suplementos de vitamina A durante a gravidez pode aumentar o peso médio ao nascer (DM 34,12 g, IC 95% -12,79 a 81,02 g, 2181 mulheres, 3 ECRs, evidência de baixa qualidade) e provavelmente reduz a incidência de crianças com baixo peso ao nascer (RR 0,78, IC 95% 0,63 a 0,97; 1819 mulheres, 3 ECRs, evidência de qualidade moderada). Não sabemos se a suplementação com vitamina A afeta o risco de parto pré-termo (1577 mulheres, 2 ECRs), óbito fetal (2335 mulheres, 3 ECRs), ou morte materna (1267 mulheres, 2 ECRs).

Notas de tradução: 

Tradução do Cochrane South Africa e Cochrane Africa em parceria com o Cochrane Brazil (Beatriz Manuel e Maria Regina Torloni). Contato: tradutores@centrocochranedobrasil.org.br

Tools
Information
Share/Save