Tiazidas são a melhor primeira escolha para hipertensão

Pergunta(s) de revisão

Nesta primeira atualização de uma revisão publicada em 2009, quisemos determinar qual a classe farmacológica que foi a melhor primeira linha no tratamento de doentes adultos com pressão arterial elevada.

Procurámos na literatura médica disponível para encontrar todos os ensaios que compararam os medicamentos com placebo ou com a ausência de tratamento para avaliar esta questão. Os dados incluídos nesta revisão encontram-se atualizados até novembro de 2017.

Contexto

Pressão arterial alta ou hipertensão arterial podem aumentar o risco de ataques cardíacos e acidentes vasculares cerebrais. Uma das decisões mais importantes no tratamento de pessoas com pressão arterial elevada é que classe farmacológica usar primeiro. Esta decisão tem consequências importantes em termos de saúde e custos associados.

Características dos estudos

Não encontrámos nenhum novos ensaio clínico nesta atualização da pesquisa bibliográfica. Na revisão original encontrámos 24 estudos que aleatorizaram 58.040 pessoas adultas (média de idade de 62 anos) com pressão arterial elevada em quatro classes diferentes de medicamentos ou placebo. A duração destes estudos variou de três a cinco anos. As classes farmacológicas estudadas foram os diuréticos tiazídicos, beta-bloqueantes, inibidores da enzima conversora da angiotensina (ECA) e os bloqueadores dos canais de cálcio.

Resultados principais:

Concluímos que a maioria da evidência científica demonstrou que a utilização em primeira linha de baixas doses de tiazidas reduziu a mortalidade, os acidentes vasculares cerebrais e os ataques cardíacos. Nenhuma outra classe farmacológica melhorou mais os resultados de saúde do que as tiazidas em baixa dose. Beta-bloqueantes e altas doses de tiazidas são inferiores.

Conclusões

Evidência científica de alta qualidade suporta que as tiazidas em baixa dose devem ser usadas primariamente para a maioria dos doentes com pressão arterial elevada. Felizmente, as tiazidas também são muito baratas.

Qualidade da evidência

A qualidade da evidência científica para utilizar tiazidas em dose baixa como primeira linha foi alta. Para as outras classes, julgamos que a evidência científica é de moderada ou baixa qualidade.

Notas de tradução: 

Traduzido por: Mariana Alves, Médica do Internato de Formação Específica de Medicina Interna, Centro Hospitalar de Lisboa Norte, Lisboa, Portugal. Com o apoio da Cochrane Portugal.

Tools
Information
Share/Save