As medidas de controlo de viagens podem conter a propagação da pandemia COVID-19?

O que são medidas de controlo de viagens?

Para conter a disseminação do COVID-19, vários países implementaram medidas de controlo relacionadas com viagens internacionais. Essas medidas incluem:

· encerramento total das fronteiras (ou seja, proibição total de qualquer cruzamento de fronteiras);

· restrições parciais de viagem (por exemplo, restrições apenas a viagens aéreas ou restrições a viajantes de determinados países);

· triagem de entrada ou saída (por exemplo, quando os viajantes são questionados sobre os sintomas, examinados fisicamente ou testados para infecção ao sair ou entrar num país);

· quarentena de viajantes (por exemplo, quando os viajantes ficam em casa ou num local específico durante algum tempo após cruzar a fronteira).

Alguns países implementaram medidas de controlo de viagens similares durante os recentes surtos de duas doenças relacionadas, a síndrome respiratória aguda grave (SARS) e a síndrome respiratória do Médio Oriente (MERS).

O que queríamos descobrir?

Queríamos descobrir quão eficazes são as medidas de controlo de viagens na contenção da pandemia de COVID-19. Também queríamos saber os custos destas medidas e o seu efeito na saúde e no uso de outros recursos, bem como potenciais efeitos negativos, como o isolamento.

O que fizemos

Procurámos estudos sobre os efeitos das medidas de controlo de viagens na disseminação do COVID-19, bem como na SARS e MERS para fornecer informações de apoio. Os estudos deveriam relatar quantos casos (pessoas com infecção) foram prevenidos ou detectados com estas medidas e, se as medidas mudaram o curso da epidemia. Os estudos podem incluir pessoas de qualquer idade, em qualquer lugar. Os estudos podem ter qualquer desenho, incluindo estudos que usaram dados da 'vida real' (estudos observacionais) ou dados hipotéticos de simulações geradas por computador (estudos de modelagem).

Incluímos estudos publicados até 26 de junho de 2020.

O que encontrámos

Encontrámos 25 estudos sobre COVID-19, 10 sobre SARS e um sobre SARS e MERS. Os estudos foram realizados em todo o mundo, exceto em África e no Mediterrâneo oriental.

Doze estudos (11 estudos de modelagem, 1 estudo observacional) sobre COVID-19 descobriram que restringir viagens transfronteiriças no início de um surto pode reduzir os novos casos num mínimo de 26% e num máximo de 90%, pode reduzir o número de mortes, pode reduzir o tempo para um surto entre 2 a 26 dias e pode reduzir a propagação e o risco de um surto. Houve também redução dos casos importados ou exportados e do crescimento da epidemia.

Encontrámos 12 estudos (6 estudos de modelagem, 6 estudos observacionais) sobre triagem de entrada ou saída, com e sem quarentena, para conter a propagação de COVID-19. Com base nos dados de três estudos de modelagem, pode haver um atraso no tempo para o desenvolvimento de um surto e, entre 10% a 53% dos viajantes infectados seriam detectados. No entanto, os resultados dos estudos observacionais variaram consideravelmente, e não temos certeza sobre a proporção de pessoas identificadas com precisão com infeção por COVID-19 nesses estudos.

Apenas um estudo de modelagem examinou medidas de quarentena para COVID-19. Este encontrou menos casos novos importados quando a quarentena de 14 dias estava em vigor.

Quão confiáveis são esses resultados?

A nossa confiança nesses resultados é limitada por vários motivos. A maioria dos estudos não foi baseada em epidemias da vida real, mas em previsões matemáticas. Os resultados dependeram de suposições feitas, não de dados da vida real. Além disso, os estudos eram muito diferentes uns dos outros e seus resultados provavelmente variariam de acordo com o estadio da epidemia, a quantidade de viagens internacionais, outras medidas tomadas localmente e a extensão da implementação e fiscalização. Os resultados dos estudos de triagem de entrada e saída podem variar de acordo com o método de triagem usado e o nível de infecção entre os viajantes. Além disso, alguns estudos foram publicados como 'pré-impressões', o que significa que não foram submetidos às verificações rigorosas da maioria dos estudos com revisão por pares.

O que significa

Em geral, as medidas de controlo de viagens podem ajudar a limitar a propagação de doenças através das fronteiras nacionais. As restrições a viagens internacionais são provavelmente mais eficazes do que a triagem de entrada e saída. É provável que o rastreio seja mais eficaz se combinado com outras medidas, como a quarentena e a observação. Encontrámos muito pouca informação sobre a quarentena após viagens como medida isolada e nenhuma informação sobre os seus custos ou efeitos negativos.

Notas de tradução: 

Traduzido por: Mariana Morgado, Cirurgiã Pediátrica, Centro Hospitalar de Lisboa Norte, Lisboa, Portugal. Com o apoio da Cochrane Portugal.

Tools
Information
Share/Save