Vacinas para prevenir herpes zoster em idosos

Pergunta da revisão
Existe uma vacina para prevenir herpes zoster. Nosso objetivo foi avaliar a eficácia e a segurança dessa vacina em pessoas saudáveis com mais idade.

Introdução
O vírus da varicela zoster causa catapora e pode permanecer dormente dentro das células nervosas. Depois de muitos anos, ele pode “acordar”, viajar através do trajeto do nervo e produzir bolhas na pele nesse trajeto. Isto é chamado de herpes zoster, ou cobreiro. Essa doença afeta pessoas com baixa imunidade, como idosos. Antes das bolhas, o indivíduo pode sentir coceira, dormência, formigamento ou dor local. Como o herpes zoster causa inflamação dos nervos, ele provoca dor intensa que e pode afetar a qualidade de vida das pessoas afetadas. Ocorrem cerca de 5,22 episódios de herpes zoster a cada 1.000 idosos. Essa frequência está aumentando, em parte porque as pessoas estão vivendo mais.

Características do estudo
Nossa evidência foi atualizada até 26 de outubro de 2015. Encontramos 13 ensaios clínicos randomizados, incluindo 69.917 idosos saudáveis. Apenas cinco dos 13 estudos eram de alta qualidade e tinham baixo risco de viés. Todos os estudos incluídos foram financiados pelas indústrias farmacêuticas produtoras das vacinas.

Resultados principais e qualidade da evidência
Todos os estudos incluídos foram realizados em países de alta renda e incluíram apenas caucasianos saudáveis, com mais idade (> 60 anos) sem qualquer problema imunológico.

O maior estudo incluiu 38.546 pessoas com 60 anos ou mais. Ele comparou a vacina com um placebo (vacina falsa). Este estudo era de alta qualidade, e mostrou que a vacina foi eficaz na prevenção do herpes zoster por até três anos (evidência de qualidade moderada). Os efeitos adversos causados pela vacina foram, na maioria das vezes, sintomas leves ou moderados no local da injeção. As vacinas refrigeradas causaram menos efeitos adversos no local da injeção do que as vacinas congeladas. A vacina intramuscular causou menos efeitos adversos do que a vacina injetada sob a pele (subcutânea). A vacina de herpes zoster causou menos efeitos colaterais do que a vacina “pneumo 23”.

Uma nova vacina, ainda não disponível para uso clínico, está sendo testada. Esta vacina contém uma pequena parte do vírus de varicela zoster associado a substâncias que estimulam a imunidade. Um estudo incluindo 8.122 participantes que foram sorteados para receber a nova vacina ou um placebo mostrou que aqueles que receberam a nova vacina tiveram menos episódios de herpes zoster e mais eventos adversos leves ou moderados do que os participantes do grupo placebo (evidência de qualidade moderada).

Conclusão dos autores: 

A vacina do herpes zoster é eficaz na prevenção da doença e a proteção pode durar três anos. No geral, a vacina zoster é bem tolerada; ela produz poucos efeitos adversos sistêmicos e provoca eventos adversos leves a moderados no local da injeção.

Existem estudos sobre uma nova vacina (com uma fração glicoprotéica adjuvante associada ao VVZ), que atualmente ainda não está disponível para o uso clínico.

Leia o resumo na íntegra...
Contexto: 

O herpes zoster, também conhecido como cobreiro, é uma doença neurocutânea decorrente da reativação do vírus varicela zoster (VVZ). Esse vírus, que causa a catapora, fica latente no corpo por muitos anos e volta a ficar ativo quando a imunidade diminui. O herpes zoster é uma condição extremamente dolorosa que pode durar muitas semanas ou meses, podendo comprometer significantemente a qualidade de vida dos indivíduos afetados. A maior predisposição dos idosos ao herpes zoster se deve à redução da imunidade celular que ocorre naturalmente junto com o processo natural de envelhecimento. A vacinação com uma forma atenuada do VVZ estimula a produção de linfócitos T específicos o que evita a reativação viral. O Food and Drug Administration (FDA) norte-americano aprovou a vacina de herpes zoster com vírus vivo atenuado para uso clínico nos adultos mais velhos; essa vacina foi testada em grandes populações. Uma nova vacina de VVZ com uma subunidade zoster adjuvante recombinante também foi testada. Ela consiste de uma glicoproteína E recombinante do VVZ e de um sistema AS01B adjuvante à base de lipossomas. Esta nova vacina ainda não está disponível para uso clínico.

Objetivos: 

Avaliar a eficácia e a segurança da vacinação para prevenção de herpes zoster em idosos.

Estratégia de busca: 

Para esta atualização de 2015, pesquisamos a Cochrane Central Register of Controlled Trials (CENTRAL 2015, edição 9), MEDLINE (de 1948 até a terceira semana de outubro de 2015), EMBASE (de 2010 a outubro de 2015), CINAHL (de 1981 a outubro de 2015) e LILACS (de 1982 a outubro de 2015).

Critérios de seleção: 

Selecionamos os ensaios clínicos randomizados (ECRs) ou quasi-randomizados que compararam a vacina de varicela zoster versus placebo ou nenhuma vacina, para prevenir herpes zoster em adultos mais velhos (com idade média > 60 anos).

Coleta dos dados e análises: 

Dois revisores, de forma independente, coletaram e analisaram os dados utilizando uma ficha de extração de dados. Eles também avaliaram o risco de viés.

Resultados principais: 

Identificamos 13 estudos envolvendo 69.916 participantes. O maior estudo incluiu 38.546 participantes. Todos os estudos foram conduzidos em países com alta renda e todos participantes eram caucasianos saudáveis com idade ≥ 60 anos, sem comorbidades imunossupressivas. Dez estudos utilizaram vacinas com vírus da varicela zoster (VVZ) vivos atenuados. Três estudos testaram um novo tipo de vacina ainda não disponível para uso clínico. Julgamos que cinco dos estudos incluídos tinham baixo risco de viés.

A incidência de herpes zoster, em até três anos de seguimento, foi menor nos indivíduos que receberam a vacina do que naqueles que receberam placebo: razão de risco (RR) 0,49; intervalo de confiança de 95% (95% CI) de 0,43 a 0,56, diferença de risco (DR) 2%, número necessário para tratar para se obter benefício (NNTB) 50; avaliação GRADE: evidência de qualidade moderada. O grupo vacinado teve maior incidência de efeitos adversos leves a moderados. Estes dados vieram de um grande estudo que incluiu 38.546 pessoas com 60 anos ou mais.

Um estudo incluindo 8.122 participantes comparou a nova vacina (ainda não disponível) versus placebo; o grupo que recebeu a nova vacina teve a menor incidência de herpes zoster em 3,2 anos de seguimento: RR 0,04, 95% CI de 0,02 a 0,10, DR 3%, NNTB 33; GRADE: evidência de qualidade moderada. O grupo vacinado teve maior incidência de eventos adversos, porém a maioria deles era de intensidade leve a moderada.

Todos os estudos foram patrocinados pela indústria farmacêutica.

Notas de tradução: 

Tradução do Centro Cochrane do Brasil (Fernando Takashi Kojima Marques)

Tools
Information
Share/Save