Mobilização precoce versus tardia para prevenir futuros sangramentos após sangramento espontâneo na superfície do cérebro.

Hemorragia subaracnóide aneurismática (HSA) é um evento grave onde o sangramento espontâneo na superfície do cérebro é frequentemente causado pela ruptura de uma dilatação anormal de uma artéria (aneurisma). Se o tratamento efetivo não for fornecido (e.g. cirurgia ou terapia farmacológica) ressangramento pode ocorrer, causando morte ou incapacidade para o paciente. Muitos pesquisadores observaram que o alto risco de ressangramento em pessoas com HSA estava entre duas a quatro semanas após o início dos sintomas, se não receberem tratamento efetivo. Repouso total de quatro a seis semanas, no entanto, tem sido considerado como umas das intervenções básicas para evitar ressangramento. No entanto, apesar da pesquisa abrangente, não foi identificado quaisquer estudos adequados que forneçam evidências a favor ou contra a permanência na cama por pelo menos quatro semanas após o início dos sintomas em pessoas que não tiveram, ou não poderiam ter qualquer tratamento para o aneurisma. As estratégias de tratamento para reduzir o risco de ressangramentos em pacientes com HSA antes da correção do aneurisma, ou naqueles pacientes que não são adequados para o tratamento cirúrgico ou, que preferem tratamentos conservadores, merecem mais atenção.

Conclusão dos autores: 

Não há ensaios clínicos randomizados ou ensaios clínicos controlados que forneçam evidências a favor ou contra ficar no leito por pelo menos quatro semanas após o início dos sintomas em pacientes com HAS aneurismática, que não tiveram, ou não poderiam ter tratamento cirúrgico para o aneurisma. As estratégias de tratamento para reduzir o risco de sangramentos em pacientes com HSA antes da ablação do aneurisma, ou naqueles que não são elegíveis para o tratamento cirúrgico, ou que preferem tratamentos conservadores, merecem atenção.

Leia o resumo na íntegra...
Contexto: 

Ressangramento é uma causa importante de morte e incapacidade em pacientes com hemorragia subaracnóide aneurismática (HSA). Com objetivo de evitar ressangramento, a estratégia de tratamento preferida é a ablação do aneurisma (remoção) tão cedo quando possível. No entanto, na prática clínica, alguns pacientes não são elegíveis para o tratamento cirúrgico ou, preferem tratamentos conservadores. Em alguns países, portanto, repouso total de quatro a seis semanas tem sido considerado uma das intervenções básicas para evitar ressangramentos. No entanto, a influência do repouso nos desfechos de pacientes com HSA não é bem conhecido.

Objetivos: 

Estabelecer se a mobilização precoce (menos de quatro semanas após o início dos sintomas) em comparação com a mobilização tardia (definida como pacientes que ficam na cama por pelo menos quatro semanas após o início dos sintomas) em pacientes com hemorragia subaracnóide aneurismática (HSA), que não tiveram ou não poderiam ter qualquer tratamento cirúrgico para o aneurisma, aumenta a proporção de mortes por ressangramento.

Estratégia de busca: 

Foi realizada uma busca na the Cochrane Stroke Group Trials Register (Maio de 2012), the Cochrane Central Register of Controlled Trials (CENTRAL)(The Cochrane Library 2012, fascículo 6), the Chinese Stroke Trials Register (Maio de 2012), MEDLINE (1950 à Junho de 2012), EMBASE (1980 à Junho de 2012), Web of Science Conference Proceedings (1990 à Maio de 2012), CINAHL (1982 à Junho de 2012), AMED (1985 à Junho de 2012), PEDro (Maio de 2012), REHABDATA (Maio de 2012) e CIRRIE Database of International Rehabilitation Research (Maio de 2012). Além disso, foram realizadas buscas em cinco bases de dados chinesas, registros de ensaios clínicos em andamento e lista de referências relevantes.

Critérios de seleção: 

Foi planejado incluir ensaios clínicos randomizados comparando mobilização precoce (dentro de quatro semanas após o início dos sintomas) com mobilização tardia (após quatro semanas).

Coleta dos dados e análises: 

Dois revisores independentes selecionaram os ensaios clínicos para inclusão e exclusão. As discordâncias foram resolvidas por meio de discussão.

Resultados principais: 

Na ausência de quaisquer ensaios clínicos randomizados adequados que tratam desse assunto, não fomos capazes de realizar uma meta-análise. Os dados de estudos observacionais recentes tem sugerido que o período de maior risco de ressangramento ocorre frequentemente no início do período, principalmente dentro de 24 horas do início da HSA. O impacto de repouso nos cuidados do aneurisma deve ser esclarecido.

Notas de tradução: 

Traduzido por: Gustavo José Luvizutto, Unidade de Medicina Baseada em Evidências da Unesp, Brasil Contato: portuguese.ebm.unit@gmail.com

Tools
Information
Share/Save