A entrevista motivacional ajuda as pessoas a parar de fumar?

Essa tradução não está atualizada. Por favor clique aqui para ver a versão mais recente em inglês desta revisão.

Contexto: A entrevista motivacional é amplamente utilizada para ajudar as pessoas a parar de fumar. É um tipo de aconselhamento que ajuda as pessoas a explorar e resolver suas incertezas quanto a mudar de comportamento. É uma intervenção que tenta evitar uma abordagem agressiva ou confrontante e, ao invés disso, tenta conduzir as pessoas a escolher mudar seu comportamento e encorajar sua auto confiança. O objetivo dessa revisão foi saber se a entrevista motivacional ajuda mais pessoas a parar de fumar do que o aconselhamento breve ou os cuidados habituais utilizados com esse objetivo.

Características do estudo: Em agosto de 2014 fizemos buscas procurando por novos estudos que pudessem ser adicionados à revisão existente e encontramos 14 novos estudos. A versão atual da revisão inclui agora um total de 28 ensaios clínicos randomizados ou por conglomerados (cluster). Os estudos deveriam incluir fumantes (mas não gestantes ou adolescentes), a intervenção testada deveria ser baseada nos princípios da entrevista motivacional e os estudos deveriam incluir algum tipo de monitoramento da intervenção (como treinamento da equipe ou uma medida da qualidade do aconselhamento administrado, ou ambos). Além disso, os grupos de controle/comparação dos estudos deveriam receber aconselhamento breve ou cuidados habituais e os estudos deveriam trazer resultados sobre parar de fumar pelo menos seis meses depois do início do programa. Os estudos incluídos recrutaram um total de 16.803 fumantes. Dois dos estudos recrutaram fumantes de tabaco sem fumaça e os demais recrutaram fumantes de cigarro. A maioria dos estudos realizou entrevistas motivacionais face-a-face, mas sete estudos realizaram apenas entrevistas por telefone.

Achados chave: Nossa revisão concluiu que a entrevista motivacional oferecida por clínicos gerais ou conselheiros treinados parece ajudar mais pessoas a parar de fumar do que o aconselhamento breve ou os cuidados habituais. A entrevista motivacional se mostrou mais bem sucedida quando realizada por clínicos gerais do que quando feita por enfermeiros e conselheiros. As entrevistas motivacionais curtas (menos de 20 minutos por sessão) se mostraram mais efetivas do que as entrevistas mais longas. Tanto a sessão única como várias sessões de tratamento produziram bons resultados. Mas a sessão única foi um pouquinho mais efetiva do que múltiplas sessões. O valor de telefonemas de apoio após a intervenção inicial não ficou claro. O aconselhamento face-a-face não foi superior ao aconselhamento telefônico quanto ao número de pessoas que conseguiram parar de fumar. Ambas estratégias foram mais bem sucedidas do que o aconselhamento breve ou os cuidados habituais.

Qualidade da evidência: A evidência dessa revisão é de qualidade moderada. Nossos resultados devem ser interpretados com cuidado devido às variações nas características dos estudos e como o tratamento foi administrado. Em alguns casos tivemos dificuldade para avaliar a qualidade dos estudos porque os autores dos artigos não apresentaram todos os detalhes relevantes sobre o estudo. Finalmente, encontramos alguma evidência de viés de publicação, ou seja, de que os estudos que não encontraram efeitos das entrevistas motivacionais tiveram menor chance de serem publicados do que os estudos que encontraram algum efeito. Isso pode ter tido algum efeito sobre nossos resultados.

Conclusão dos autores: 

As entrevistas motivacionais podem ajudar as pessoas a parar de fumar. Entretanto, os resultados devem ser interpretados com cautela devido à variação na qualidade dos estudos, na aderência ao tratamento, à heterogeneidade entre os estudos e à possibilidade de existir viés de publicação ou relato seletivo dos desfechos. 

Leia o resumo na íntegra...
Contexto: 

Uma entrevista motivacional (EM) é um tipo de aconselhamento diretivo centrado no paciente, feito para ajudar as pessoas a explorar e resolver suas ambivalências para mudar de comportamento. Esse tipo de aconselhamento foi desenvolvido para tratar o alcoolismo, mas também pode ajudar as pessoas a parar de fumar.

Objetivos: 

Avaliar se entrevista motivacional (EM) ajuda a parar de fumar.

Estratégia de busca: 

Fizemos buscas no Cochrane Tobacco Addiction Group Specialized Register utilizando o termo motivat* NEAR2 (interview* OR enhanc* OR session* OR counsel* OR practi* OR behav *) no título ou resumo, ou o termo motivation* como palavra chave. Data da busca mais recente: agosto de 2014.

Critérios de seleção: 

Incluímos ensaios clínicos randomizados controlados que ofereceram entrevista motivacional ou suas variações a fumantes para ajudá-los a parar de fumar.

Coleta dos dados e análises: 

Fizemos a extração dos dados em duplicata. O principal desfecho foi abstinência do tabagismo no seguimento feito pelo menos seis meses após a intervenção. Usamos a definição de abstinência mais rigorosa disponível em cada estudo e marcadores bioquímicos validados nos estudos que apresentavam esse resultado. Contamos os pacientes que abandonaram os estudos como fumantes persistentes ou reincidentes Usamos o modelo de efeitos fixos de Mantel-Haenszel nas metanálises.

Resultados principais: 

Identificamos 28 estudos publicados entre 1997 e 2014, envolvendo mais de 16.000 participantes. Os estudos ofereceram EM com duração de 10 até 60 minutos por sessão e frequência que variou de uma até seis sessões. As intervenções foram oferecidas por clínicos gerais/médicos de família trabalhando em postos de saúde ou hospitais, enfermeiros ou conselheiros. A EM, comparada com aconselhamento breve ou cuidados habituais, produziu um pequeno, porém significante aumento na cessação do tabagismo: razão de chances (RR) 1,26; intervalo de confiança (CI) de 95% 1,16 a 1,36, 28 estudos; N = 16.803 participantes. A análise de subgrupos mostrou que a EM oferecida por médicos teve um RR de 3,49 (IC 95% 1,53 a 7,94; 2 estudos; N = 736). A EM oferecida por conselheiros teve um RR menor (1,25; IC 95% :1,15 a 1,63; 22 estudos; N = 13.593) mas ainda superior ao aconselhamento breve ou cuidados habituais na redução do tabagismo, As sessões breves (menos de 20 minutos) de EM foram melhores do que o grupo controle:RR 1,69, IC 95% .1,34 a 2,12; 9 estudos; N = 3.651. Tanto as sessões únicas como as sessões múltiplas de EM produziram resultados positivos. Mas a sessões únicas parecem aumentar mais a probabilidade de parar de fumar. No momento, as evidências não são claras quanto ao número ideal de telefonemas de acompanhamento.

A adesão ao tratamento variou entre os estudos. Todos estudos utilizaram variantes das EMs. Alguns estudos não apresentaram detalhes críticos sobre as modificações realizadas para seus participantes, o treinamento dos terapeutas e o conteúdo do aconselhamento.  

Notas de tradução: 

Tradução do Centro Cochrane do Brasil (Gustavo Souto Henriques Campelo). Contato: tradutores@centrocochranedobrasil.org.br

Share/Save