Alívio analgésico para a remoção do introdutor femoral após procedimentos cardíacos

Procedimentos para o manejo não cirúrgico das doenças coronarianas incluem angioplastia por balão (alargamento mecânico em um vaso estreito ou obstruído) e stent intra-coronário (um dispositivo para manter os vasos abertos) No início de cada procedimento, um cateter introdutor é inserido pela pele (percutâneo) em uma artéria, frequentemente a artéria femoral na virilha. Isso permite os diferentes cateteres utilizados para o procedimento serem trocados facilmente sem causar trauma na pele. Ao final do procedimento o introdutor é removido e, se o sítio da punção não é "selado" com um dispositivo de fechamento, uma pressão firme é requerida por 30 minutos ou mais no local da punção para controlar qualquer sangramento e reduzir as complicações vasculares. Remoção do introdutor e a pressão requerida para controlar o sangramento pode causar dor, embora ela seja geralmente de intensidade leve. Alguns centros, rotineiramente, dão analgésicos antes da remoção, tais como morfina, ou uma injeção de anestésico local nas partes mole ao redor do introdutor (chamado de injeção subcutânea). Controle da dor adequado durante a remoção do introdutor é também associado com a redução da incidência do reflexo vasovagal, uma complicação grave que envolve uma queda súbita da pressão sanguínea e bradicardia.

Nessa revisão sistemática de ensaios clínicos randomizados quatro estudos foram revisados. Três estudos envolvendo 498 participantes compararam lidocaína subcutânea, um anestésico local de curta duração, com um grupo controle (participantes receberam ou nenhum alívio da dor ou uma substância inativa, conhecido como placebo). Dois estudos envolvendo 399 pessoas compararam os opioides intra-venosos (fentanil ou morfina) e um ansiolítico (midazolanm) com um grupo controle. Um estudo envolvendo 60 pessoas comparou levobupivacaína subcutânea, um anestésico local de longa duração, com um grupo controle. Regimes analgésicos intravenosos e levobupivacaína parecem reduzir a dor experimentada durante a remoção do introdutor femoral. Entretanto, o tamanho da redução foi pequena. Um redução significante da dor não foi experimentada pelos participantes que receberam lidocaína subcutânea ou pelos que estavam no grupo controle. Existem dados insuficientes para determinar a correlação entre analgesia e outros efeitos adversos ou complicações. Alguns pacientes podem se beneficiar de analgésicos de rotina utilizando levobupivacaína ou regimes intra-venosos. Identificar quem pode potencialmente se beneficiar da analgesia requer julgamento clínico e consideração pela preferência do paciente. A intensidade leve da dor, geralmente experimentada durante esse procedimento, não pode influenciar a decisão, uma vez que algumas pessoas podem experimentar níveis moderados de dor com o tratamento padrão.

Conclusão dos autores: 

Nenhum novo estudo foi encontrado desde a última versão dessa revisão e portanto as conclusões permanecem as mesmas. Regimes analgésicos intra-venosos e levobupivacaína pode ter maior eficácia quando comparados ao controle para o manejo analgésico relacionado à remoção do introdutor femoral. Entretanto, um estudo definitivo permanece sendo requerido porque a diferença clínica é pequena. Não há evidência que suporte o uso de lidocaína subcutânea. Não existe evidência suficiente para determinar se a analgesia influencia a taxa das complicações. Um novo estudo foi incluído como um "estudo aguardando avaliação", uma vez que aguardamos maiores informações dos autores.

Leia o resumo na íntegra...
Contexto: 

Essa é uma atualização da versão original da revisão Cochrane publicada na Edição 4, 2008 da The Cochrane Library. Existe variação no uso do analgésico para manejo da dor ou desconforto da remoção do introdutor femoral. A eficácia da analgesia para promover o conforto durante esse procedimento ou reduzir a incidência das complicações vasculares ou do procedimento ainda não foi estabelecido.

Objetivos: 

Avaliar a eficácia do alívio analgésico utilizado para o manejo da dor durante a remoção do introdutor femoral em adultos após intervenção cardiológica.

Determinar se o alívio analgésico influencia a taxa de complicações associada a este procedimento.

Estratégia de busca: 

Conduzimos uma busca atualizada, pesquisando o Cochrane Central Register of Controlled Trials (CENTRAL) na The Cochrane Library, MEDLINE, EMBASE, CINAHL, Australasian Medical Index, Web of Knowledge and Digital Dissertations até Junho de 2011.

Critérios de seleção: 

Estudos randomizados comparando opioide, anestésico local, ansiolítico, nenhum tratamento ou administração de placebo para o alívio da dor ou desconforto do remoção do introdutor femoral.

Coleta dos dados e análises: 

Dois autores da revisão avaliaram a qualidade dos estudos e extraíram os dados. Calculamos as diferenças médias (DM) onde a metanálise era viável. Coletamos as informações sobre efeitos adversos.

Resultados principais: 

Quatro estudos envolvendo 971 participantes foram incluídos. Todos os resultados foram reportados utilizando uma escala dolorosa de zero a 10. Três estudos (quatro braços de tratamento) envolvendo 498 participantes compararam lidocaína subcutânea com controle sem diferença significante entre os escores de dor; DM 0,12 (intervalo de confiança (IC) 95% -0,46 a 0,69). Dois estudos (três braços de tratamento) envolvendo 399 participantes compararam regimes de analgésicos intravenosos com controle. Uma redução significante no escore de dor foi observada nos opioides intra-venosos e ansiolíticos; DM -0,90 (IC 95% -1,54 a -0,27). Um estudo envolvendo 60 participantes comparou a levobupivacaína com placebo. Anestésicos locais de longa duração diminuíram significantemente o escore de dor por uma DM de -1,10 (IC 95% -1,26 a -0,94). Os dados são insuficientes para identificar qualquer influência dos regimes analgésicos nas taxas de complicações vasculares ou relacionadas ao procedimento. Nenhum estudo relatou ocultação adequada de todos os braços de tratamento. O maior estudo, compreendendo 661 participantes, não era encoberto com um escore de qualidade de dois em cinco.

Notas de tradução: 

Traduzido por: Vinicius Sepúlveda Lima, Unidade de Medicina Baseada em Evidências da Unesp, Brazil. Contato: portuguese.ebm.unit@gmail.com

Tools
Information
Share/Save