Exercícios aquáticos para o tratamento da osteoartrite do joelho e do quadril

Questão da revisão

Quais são os efeitos de exercícios aquáticos no tratamento de pessoas com osteoartrite do joelho e quadril?

Introdução: o que é a osteoartrite do quadril e joelho, e o que é exercício aquático?

A osteoartrite é uma doença crônica caracterizada por dores e sensibilidade nas juntas e limitação de movimento. Até o momento, não há cura disponível. Existe apenas tratamento para aliviar os sintomas e para prevenir o avanço da doença. Exercícios aquáticos (ou hidroginástica) são exercícios realizados com as pessoas imersas em água, geralmente com a temperatura entre 32ºC a 36ºC. Este estudo é uma atualização de uma revisão Cochrane, e apresenta os resultados de estudos que investigaram o efeito do exercício aquático para tratar pessoas com osteoartrite do joelho e quadril.

Características dos estudos

Nesta atualização, nós apresentamos o que se sabe sobre os estudos que avaliaram o efeito da hidroginástica para pessoas com osteoartrite do joelho e quadril. Após buscarmos todos os estudos relevantes publicados até 28 de abril de 2015, encontramos 9 novos estudos que haviam sido publicados depois da elaboração da última versão dessa revisão Cochrane. No total, incluímos 13 estudos (1190 participantes). A maioria destes estudos incluiu participantes com sintomas leves a moderados de osteoartrite do joelho e quadril.

Principais Resultados

A hidroginástica provavelmente melhora um pouco a dor e a incapacidade, e pode melhorar a qualidade de vida de pessoas com osteoartrite do joelho ou quadril, nas medidas feitas logo depois do final da intervenção (até 12 semanas de hidroginástica). Essa atualização não modifica as conclusões da versão anterior desta revisão Cochrane.

Dor [pontuação menor é melhor]

As pessoas que completaram um programa de hidroginástica deram uma nota com 5 pontos a menos (variando de 3 até 8 pontos a menos) em uma escala de dor de 0 a 100 ao final do programa, comparado com pessoas que não fizeram hidroginástica (5% de melhora absoluta)

A nota de dor das pessoas que completaram o programa de hidroginástica foi de 41 pontos em uma escala de 0 a 100

A nota de dor das pessoas do grupo controle foi de 46 pontos em uma escala de 0 a 100

Incapacidade [pontuação menor é melhor]

As pessoas que completaram um programa de hidroginástica deram uma nota de incapacidade com 5 pontos a menos (variando de 3 até 8 pontos a menos) em uma escala de 0 a 100 ao final do programa, comparado com pessoas que não realizam hidroginástica (5% de melhora absoluta)

A nota de incapacidade das pessoas que completaram o programa de hidroginástica foi 39 pontos em uma escala de 0 a 100

A nota de incapacidade das pessoas do grupo controle foi de 44 pontos em uma escala de 0 a 100

Qualidade de vida [pontuação maior é melhor]

As pessoas que completaram um programa de hidroginástica deram uma nota de qualidade de vida com 7 pontos a mais (variando de 0 a 13 pontos a mais) em uma escala de 0 a 100 pontos ao final do programa comparado com pessoas que não realizam hidroginástica (13% de melhora absoluta)

A nota de qualidade de vida das pessoas que completaram o programa de hidroginástica foi de 57 pontos em uma escala de 0 a 100

A nota de qualidade de vida das pessoas do grupo controle foi de 50 pontos em uma escala de 0 a 100

Raio-x das articulações – nenhum estudo avaliou esse desfecho

Perdas do estudo

3 pessoas de 100 desistiram do programa de hidroginástica (3% de aumento absoluto)

18 pessoas de 100 no grupo da hidroginástica desistiram do programa de exercício

15 pessoas de 100 desistiram do grupo controle

Eventos adversos graves

Nenhum evento adverso grave foi relatado em relação à hidroginástica

Qualidade da evidência

Existe evidência de qualidade moderada de que hidroginástica pode reduzir a dor e a incapacidade, e melhorar a qualidade da vida de pessoas com osteoartrite do joelho e quadril, imediatamente ao final do programa. Pesquisas futuras podem mudar esses resultados.

Conclusão dos autores: 

Existe evidência de qualidade moderada que o exercício aquático tem um pequeno efeito clinicamente relevante, a curto prazo, sobre a dor, a incapacidade e a qualidade de vida auto-referidas de pessoas com osteoartrite no joelho e no quadril. As conclusões dessa atualização não modificam as conclusões das versões anteriores desta revisão Cochrane.

Leia o resumo na íntegra...
Contexto: 

A osteoartrite é uma doença crônica caracterizada por dores e sensibilidade das articulações e limitação de movimento. Até o momento, não há cura disponível. Somente existe tratamento para os sintomas e para prevenir o avanço da doença. Existem estudos sugerindo que o exercício aquático pode ser benéfico para pacientes com osteoartrite. Essa é uma atualização de uma revisão Cochrane.

Objetivos: 

Avaliar a efetividade de exercícios aquáticos para o tratamento de pacientes com osteoartrite do joelho ou quadril, ou os dois, comparada com nenhuma intervenção.

Estratégia de busca: 

Fizemos buscas nas seguintes bases de dados até 28 de abril de 2015: Cochrane Central Register of Controlled Trials (CENTRAL; the Cochrane Library Issue 1, 2014), MEDLINE (a partir de 1949). EMBASE (a partir de 1980), CINAHL (a partir de 1982), PEDro (Physiotherapy Evidence Database), e Web of Science (a partir de 1945). Não houve restrições de idiomas.

Critérios de seleção: 

Ensaios clínicos randomizados que alocaram pacientes com osteoartrite do joelho ou quadril a exercícios aquáticos ou grupo controle (ex. cuidados usuais, educação, atenção social, ligações, lista de espera para cirurgia).

Coleta dos dados e análises: 

Dois revisores independentes selecionaram os estudos para inclusão, extraíram os dados e avaliaram o risco de viés dos estudos incluídos. Usamos a diferença de média padronizada (DMP) para a análise dos dados combinados dos estudos incluídos.

Resultados principais: 

Incluímos nesta revisão 9 estudos que preencheram os critérios de seleção e excluímos 2 estudos que haviam sido incluídos anteriormente. Dessa forma, o número de participantes aumentou de 800 para 1190 e o número de estudos incluídos passou de 6 para 13. A maioria dos participantes eram mulheres (75%), com idade média de 68 anos e com Índice de Massa Corporal (IMC) igual a 29,4. A duração média da osteoartrite era 6,7 anos, com grande variação entre os participantes inclusos. O tempo médio de exercícios aquáticos foi de 12 semanas. Nós encontramos 12 estudos com baixo risco de viés para todos os domínios exceto o domínio de cegamento de participantes e da equipe. Os estudos mostraram que, em comparação com o grupo controle, o exercício aquático produziu uma pequena melhora em curto prazo para dor (DMP -0,31, intervalo de confiança (IC) 95% -0,47 a -0,15; 12 estudos, 1076 participantes) e incapacidade (DMP -0,32, IC 95% -0,47 a -0,17; 12 estudos, 1059 participantes). Dez estudos demonstraram um efeito pequeno na qualidade de vida (DMP -0,25, IC 95% -0,49 a -0,01; 10 estudos, 971 participantes). Esses efeitos na dor e na incapacidade correspondem a 5 pontos a menos (IC 95% 3 a 8 pontos a menos) em uma escala de 0 a 100, para média de dor e de incapacidade quando comparados com o grupo controle, e 7 pontos a mais (IC 95% 0 a 13 pontos a mais) para qualidade de vida em comparação com o grupo controle (escala de 0 a 100). Nenhum estudo incluído realizou avaliação radiológica. Nenhum evento adverso grave foi relatado em relação ao exercício aquático.

Notas de tradução: 

Tradução do Centro Cochrane do Brasil (Maira T. Parra). Contato: tradutores@centrocochranedobrasil.org.br

Tools
Information
Share/Save