Terapias psicológicas para o manejo da dor crônica e recorrente em crianças e adolescentes

Essa tradução não está atualizada. Por favor clique aqui para ver a versão mais recente em inglês desta revisão.

Terapias psicológicas (por exemplo relaxamento, hipnose, treinamento de habilidades, biofeedback e terapia cognitivo-comportamental) pode ajudar as pessoas no manejo da dor e das suas consequências incapacitantes. Terapias podem ser realizadas frente a um terapeuta, através da Internet, por chamada telefônica ou pelo computador. Esta avaliação foca sobre tratamentos que são feitos frente a um terapeuta. Para as crianças e adolescentes há evidências de que tanto relaxamento e terapia cognitivo-comportamental (tratamento que ajuda a testar pessoas e rever seus pensamentos e ações) são eficazes na redução da intensidade da dor em dor de cabeça crônica, dor abdominal recorrente, fibromialgia e doença falciforme imediatamente depois do tratamento.

Terapias psicológicas também têm um efeito duradouro em reduzir a dor e a incapacidade na cefaleia crônica. Cinquenta e seis por cento das crianças que foram tratadas com terapias psicológicas relataram menos dor em comparação com 22% das crianças que não receberam a terapia psicológica. A ansiedade também foi reduzida para crianças com cefaleia, imediatamente após o tratamento. Terapias psicológicas também reduzem dor e incapacidade para crianças com condições de dor mista (excluindo dor de cabeça), imediatamente após o tratamento. No entanto, não encontramos que quaisquer efeitos do tratamento foram mantidos durante o acompanhamento (entre 3-12 meses após o fim do tratamento), para crianças com condições de dor mista. Terapias psicológicas não produziram alterações na depressão em crianças com condições tanto de cefaleia ou não-cefaleia, e a ansiedade não se alterou em crianças com condições não-cefaleia que receberam terapias psicológicas.

Mais estudos são necessários para entender se terapias psicológicas podem melhorar a depressão e a ansiedade e ter efeitos mais duradouros sobre a dor e incapacidade em outros grupos de jovens que têm dor crônica.

Conclusão dos autores: 

Tratamentos psicológicos feitos pessoalmente são eficazes na redução da intensidade da dor e incapacidade para crianças e adolescentes (<18 anos) com dor de cabeça, e os ganhos terapêuticos parecem ser mantidos, embora estes devam ser tratados com cautela para a incapacidade, pois existem apenas dois estudos que poderiam ser incluídos na análise de seguimento. Terapias psicológicas também são benéficas na redução da ansiedade pós-tratamento para a dor de cabeça. Para condições não-cefaleia, tratamentos psicológicos foram benéficos para dor e incapacidade pós-tratamento, mas estes efeitos não foram mantidos no seguimento. Existe evidência limitada disponível para estimar os efeitos das terapias psicológicas na depressão e ansiedade em crianças e adolescentes com cefaleia e dor não-cefaleia. As conclusões desta atualização replicam e adicionam na revisão anterior, que encontrou que terapias psicológicas foram eficazes na redução da intensidade da dor em crianças com condições de cefaleia e dor não-cefaleia, e esses efeitos foram mantidos no seguimento para crianças com condições de dor de cabeça.

Leia o resumo na íntegra...
Contexto: 

Esta é uma atualização da revisão original Cochrane publicada pela primeira vez na Edição 1, 2003 e atualizado anteriormente em 2009 e 2012. A dor crônica afeta muitas crianças, que relatam dor severa, incapacidade e humor angustiado. Terapias psicológicas estão emergindo como intervenções eficazes para tratar crianças com dor crônica ou recorrente. Esta atualização centra-se especificamente sobre as terapias psicológicas realizadas pessoalmente, adicionando-se novos ensaios clínicos controlados randomizados (ECCRs) e dados adicionais de ensaios clínicos previamente incluídos.

Objetivos: 

Houve três objetivos para esta revisão. Primeiro, determinar a eficácia de desfechos clínicos na dor severa, incapacidade, depressão e ansiedade, da terapia psicológica realizada pessoalmente para dor crônica e recorrente em crianças e adolescentes comparada com o tratamento ativo, lista de espera ou tratamento médico padrão. Segundo, avaliar o impacto das terapias psicológicas na depressão e ansiedade, que foram previamente combinadas como "humor". Terceiro, avaliamos o risco de viés dos estudos incluídos e a qualidade dos resultados utilizando os critérios GRADE.

Estratégia de busca: 

Buscas foram realizadas em CENTRAL, MEDLINE, EMBASE e PsycINFO. Buscamos por mais ECCRs nas referências de todos os estudos identificados, meta-análises e revisões. Registros de Bases de dados também foram buscados. A data mais recente da busca foi Janeiro de 2014.

Critérios de seleção: 

ECCRs com pelo menos 10 participantes em cada braço de pós-tratamento, comparando terapias psicológicas com o tratamento ativo, cuidados médicos padrão ou controle de lista de espera para crianças ou adolescentes com dor episódica, recorrente ou persistente, foram elegíveis para inclusão. Somente ensaios clínicos realizados pessoalmente (face-a-face) foram considerados. Estudos que mostraram tratamento remotamente foram excluídos desta atualização.

Coleta dos dados e análises: 

Todos os estudos incluídos foram analisados e a qualidade dos desfechos foi avaliada. Todos os tratamentos foram combinados em uma classe, tratamentos psicológicos. Condições de dor foram divididas em cefaleia e não-cefaleia. Ambas as condições foram avaliados em quatro desfechos: dor, incapacidade, depressão e ansiedade. Os dados foram extraídos em dois momentos: pós-tratamento (imediatamente ou dados mais recentes disponíveis na sequência final do tratamento) e no seguimento (entre três e 12 meses pós-tratamento).

Resultados principais: 

Sete trabalhos foram identificados na busca atualizada. Desses trabalhos, cinco apresentaram novos ensaios clínicos e dois apresentaram dados de seguimento para os ensaios clínicos previamente incluídos. Cinco estudos que foram previamente incluídos nesta revisão foram excluídos como terapia usada remotamente. A revisão, portanto, inclui um total de 37 estudos. O número total de participantes com tratamentos completos foi 2111. Vinte estudos abordaram tratamentos para dor de cabeça (incluindo migrânea); nove para dor abdominal; dois para condições de dor mista, incluindo dor de cabeça, dois para fibromialgia, dois para dor abdominal recorrente ou síndrome do intestino irritável e dois para dor associada com doença falciforme.

As análises revelaram que terapias psicológicas são benéficas para crianças com dor crônica em sete desfechos. Para cefaleia, terapias psicológicas reduziram a dor pós-tratamento e no seguimento, respectivamente (risco relativo (RR) 2.47, intervalo de confiança (IC) de 95% 1.97 a 3.09, z = 7.87, p < 0.01, número necessário para tratar para benefício (NNTB) = 2.94; RR 2.89, IC 95% 1.03 a 8.07, z = 2.02, p < 0.05, NNTB = 3.67). Terapias psicológicas também tiveram um pequeno efeito benéfico em reduzir a incapacidade em condições de dor de cabeça pós-tratamento e no seguimento, respectivamente (diferença média padronizada (DMP) -0.49, IC 95% -0.74 a -0.24, z = 3.90, p <0.01; DMP -0.46, IC 95% -0.78 a -0.13, z = 2.72, p <0,01). Nenhum efeito benéfico foi encontrado na depressão pós-tratamento (DMP -0.18, IC 95% -0.49 a 0.14, z = 1.11, p > 0.05). No seguimento, apenas um estudo foi elegível, portanto, nenhuma análise foi possível e nenhuma conclusão pode ser tirada. As análises revelaram um pequeno efeito benéfico para a ansiedade pós-tratamento (DMP -0.33, IC 95% -0.61 a -0.04, z = 2.25, p < 0.05). No entanto, isto não foi mantido no seguimento (DMP -0.28, IC 95% -1.00 a 0.45; z = 0.75, p > 0.05).

Análises revelaram dois efeitos benéficos do tratamento psicológico para crianças com dor não-cefaleia. A dor melhorou pós-tratamento (DMP -0.57, IC 95% -0.86 a -0.27, z = 3.74, p <0.01), mas não durante o seguimento (DMP -0.11, IC 95% -0.41 a 0.19, z = 0.73, p > 0,05). Terapias psicológicas também tiveram efeito benéfico para incapacidade pós-tratamento (DMP -0.45, IC 95% -0.71 a -0.19, z = 3.40, p <0.01), mas isto não foi mantido no seguimento (DMP -0.35, IC 95% -0.71 a 0.02, z = 1.87, p > 0.05). Nenhum efeito foi encontrado para depressão ou ansiedade pós-tratamento (DMP -0.07, IC 95% -0.30 a 0.17, z = 0.54, p > 0.05; DMP -0.15, IC 95% -0.36 a 0.07, z = 1.33, p > 0.05) ou no seguimento (DMP 0.06, IC 95% -0.16 a 0.28, z = 0.53, p > 0.05; DMP 0.05, IC 95% -0.24 a 0.33, z = 0.32, p > 0.05).

Notas de tradução: 

Tradução da Unidade de Medicina Baseada em Evidências da Unesp, Brazil (Esther Angélica Luiz Ferreira) Contato: portuguese.ebm.unit@gmail.com Translation notes: CD003968

Share/Save