Alta dose versus baixa dose de corticóide inalatório como dose inicial para asma em adultos e crianças

Guidelines diferem nas recomendações da dose inicial de corticóides inalatórios (CI) para asma. Esta revisão comparou doses iniciais de CI para asma. Os resultados demonstraram que iniciar com uma dose moderada de CI é tão efetivo quanto uma dose inicial alta e depois ir reduzindo a dose com monitorazação dos sintomas. Estes resultados também mostraram que doses moderadas de CI pode ser mais efetivo do que doses baixas. Não foi encontrado benefícios extras no tratamento com duplicação ou quadruplicação das doses iniciais de CI. Pessoas com asma deveriam iniciar o tratamento com baixas a moderadas doses de CI.

Conclusão dos autores: 

Para os pacientes com asma que necessitam de corticoides inalatórios, a iniciação de dose moderada do corticoide inalatório é equivalente a iniciação de doses elevadas de corticoides inalatórios e de baixa titulação. O baixo e significante beneficio da iniciação de doses elevadas de corticoides inalatórios não é um benefício clínico suficiente para garantir a segurança de seu uso quando comparado a doses moderadas ou baixas de corticoides inalatórios. A iniciação de doses moderadas de corticoides inalatórios se mostra mais eficaz do que iniciação de doses baixas de corticoides inalatórios. As doses elevadas de corticoides inalatórios pode ser mais eficaz do que doses moderadas e baixas de corticoides inalatórios para vias aéreas hiperresponsivas. Não há benefícios em duplicar ou quadruplicar as doses de corticoides inalatórios em indivíduos com asma estável.

Leia o resumo na íntegra...
Contexto: 

Corticoesteróides inalatórios (CI) formam a base de manutenção da terapia da asma e suas eficácias são bem definidas. Entretanto, a dose inicial ótima dos CI ainda não é claramente estabelecida. Revisões recentes demonstraram uma curva de eficiência relativamente horizontal dos CI e um aumento dos efeitos colaterais com a elevação das doses destes medicamentos. As doses elevadas de CI são frequentemente prescritas e existem evidências recentes da ocorrência de efeitos colaterais significantes com o uso de doses elevadas destes medicamentos. Estas relevâncias demonstram a necessidade de estabelecer uma dose inicial ótima de CI em asmáticos.

Objetivos: 

Estabelecer a dose inicial mais eficaz de corticóides inalatórios através da avaliação da eficácia de doses iniciais altas e doses iniciais baixas destes medicamentos em asmáticos, que não estão atualmente em uso de CI.

Estratégia de busca: 

A base de dados deste estudo foi o Cochrane Airways Group Specialised Register e lista de referências dos artigos encontrados. Data da última pesquisa: Janeiro de 2003.

Critérios de seleção: 

Ensaios clínicos controlados randomizados com duas doses diferentes do mesmo corticóide inalatório em adultos e crianças com asma sem uso concomitante de corticóides inalátórios ou corticóides orais.

Coleta dos dados e análises: 

A qualidade dos ensaios clínicos foi avaliada e os dados foram extraídos por dois autores de revisão independentes. Os autores dos estudos foram contactados para confirmações. Os ensaios clínicos foram analisados de acordo com a seguinte comparação das doses de CI: redução versus dose constante (n=7); alta versus moderada dose (n=11); alta versus baixa dose (n=9); moderada versus baixa dose (n=11); mudança na dosagem (todos os estudos).

Resultados principais: 

Foram incluídos para esta revisão 31 trabalhos relatando resultados de 26 ensaios clínicos. Para os estudos que comparavam a abordagem de redução das doses em relação ao uso de doses moderadas a baixas de corticoides inalatórios, não foi encontrado diferenças significastes na função pulmonar, sintomas, medicações de resgate ou no controle da asma entre as duas abordagens. Melhorias significastes mas clinicamente pequenas em percentagem prevista de VEF1 (DMP 5,32, intervalo de confiança 95% 0,65 a 9,99) e não houve melhorias significantes na mudança do PEF da manhã com uso de altas doses comparados a doses moderadas de CI. Não houve diferenças significantes na eficácia entre altas e baixas doses de CI. Para dose moderadas de corticoides inalatórios, comparado a doses baixas, houve melhorias significantes na mudança do PEF da manhã do basal (DMP 11,14, intervalo de confiança 95% 1,34 a 20,93) e sintomas noturnos (DM -0,29, intervalo de confiança 95% -0,53 a -0,06). Iniciar corticoides inalatórios duplicado ou quadruplicado a dose básica moderada ou baixa não houve efeito maior em relação a iniciação de dose básica. Diversos estudos reportaram melhorias maiores na hiperresposividade das vias aéreas no uso de doses altas de corticoides inalatórios.

Notas de tradução: 

Tradução da Unidade de Medicina Baseada em Evidências da Unesp, Brazil (Marcelo de Paula Mendes Castilho) Contato: portuguese.ebm.unit@gmail.com Translation notes: CD004109

Tools
Information
Share/Save