Tratamento domiciliar versus hospitalar para trombose venosa profunda

Essa tradução não está atualizada. Por favor clique aqui para ver a versão mais recente em inglês desta revisão.

Trombose venosa profunda (TVP) ocorre quando o coágulo de sangue obstrui a veia, geralmente das pernas. Isto pode acontecer após cirurgia, trauma ou quando a pessoa está imobilizada. Coágulos podem se deslocar e bloquear o fluxo de sangue dos pulmões, o qual pode ser fatal. Heparina afina o sangue e é uma droga utilizada para tratamento de TVP durante os primeiros três a cinco dias. Heparina não fracionada é administrada via endovenosa no hospital com necessidade de monitorização laboratorial. Novas heparinas de baixo peso molecular (HBPM) são aplicadas via subcutânea uma vez ao dia e podem ser administradas em casa. Os anticoagulantes orais são mantidos posteriormente por três a seis meses. Após a recuperação do período agudo, as pessoas podem desenvolver síndrome pós trombótica com inchaço das pernas, veias varicosas e ulcerações.

A revisão relata que o tratamento domiciliar com HBPM é mais efetivo na prevenção de recorrência de coágulo venoso (tromboembolismo) quando comparado ao tratamento hospitalar com heparina ou HBPM. Seis ensaios clínicos envolvendo 1.708 pacientes com TVP clinicamente confirmada compararam tratamento domiciliar (HBPM) versus tratamento hospitalar (heparina ou HBPM num ensaio). Os ensaios clínicos mostraram que os pacientes tratados em casa com HBPM apresentaram menor taxa de recorrência de tromboembolia venosa (RR 0,6; variação de 0,4 a 0,9) comparados aos que foram tratados no hospital. A revisão também mostrou que os pacientes tratados em casa apresentaram menor taxa de ambos sangramento grave e mortalidade, mas apresentaram maior probabilidade de pequenos sangramento. As evidências limitadas sugerem que o tratamento domiciliar é custo-efetivo.

Ensaios clínicos apresentaram limitações incluindo altas taxas de exclusão, além do desenho do estudo que não levou em conta a curta estadia hospitalar prévia para nenhum dos tratados em casa com HBPM para permitir comparação justa com os pacientes tratados em hospital.

Conclusão dos autores: 

As evidências limitadas sugerem que o tratamento domiciliar é custo-efetivo e preferido pelos pacientes. Mais ensaios clínicos com tamanho amostral grande comparando estes tratamentos são improváveis de acontecerem. Entretanto, tratamento domiciliar provavelmente pode ser normatizado; mais pesquisas serão direcionadas para resolver os problemas práticos deste tratamento.

Leia o resumo na íntegra...
Contexto: 

Trombose venosa profunda (TVP) ocorre quando o coágulo de sangue bloqueia o fluxo nas veias. Isto pode acontecer após cirurgia, trauma ou quando a pessoa está imobilizada. Coágulos podem se destacar e bloquear o fluxo sanguíneo dos pulmões causando morte. Heparina é uma droga que afina o sangue utilizada nos primeiros três a cinco dias de tratamento para TVP. A heparina de baixo peso molecular (HBPM) permite que as pessoas com TVP recebam o tratamento inicial em casa ao invés de hospital.

Objetivos: 

Comparar o tratamento domiciliar versus hospitalar de TVP com HBPM e avaliar a segurança, eficácia, aceitabilidade e implicações do custo no tratamento domiciliar versus hospitalar.

Estratégia de busca: 

O grupo the Cochrane Peripheral Vascular Diseases Group pesquisou no seu banco de dados de ensaios clínicos (última busca em 9 de Novembro de 2007) e na the Cochrane Central Register of Controlled Trials (CENTRAL), the Cochrane Library (última busca fascículo 4, 2007). Os autores pesquisaram manualmente os jornais não listados e contataram os pesquisadores da área.

Critérios de seleção: 

Ensaios clínicos randomizados de tratamento domiciliar versus hospitalar para TVP nos quais a TVP foi confirmada clinicamente e tratada tanto com HBPM ou heparina não fracionada (HNF).

Coleta dos dados e análises: 

Um autor selecionou o material para inclusão e outro para seleção de ensaios clínicos. Dois autores extraíram dados independentemente. Os desfechos incluíram EP, TVP recorrente, gangrena, complicações da heparina e morte.

Resultados principais: 

Seis ensaios clínicos envolvendo 1.708 participantes com grupos de tratamento comparáveis foram incluídos. Os seis ensaios clínicos apresentaram problemas importantes incluindo altas taxas de exclusão, tratamento parcial intra hospitalar no grupo de HBPM e, comparação de HNF hospitalar com HBPM domiciliar. Os ensaios clínicos mostraram que pacientes tratados em casa com HBPM são menos propensos a apresentarem recorrência de TEV comparados ao pacientes tratados de forma hospitalar com HNF ou HBPM (modelo de efeito fixo, Risco Relativo (RR) 0,61; Intervalo de Confiança (IC) 95% 0,42 a 0,90). Pacientes com tratamento domiciliar apresentaram também menor taxa de mortalidade (RR 0,72; IC 95% 0,45 a 1,15) e menor taxa de evento maior de hemorragia (RR 0,67; IC 95% 0,33 a 1,36), mas apresentaram maior probabilidade de terem evento menor de hemorragia do que os de tratamento hospitalar (RR 1,29; IC 95% 0,94 a 1,78), entretanto sem mostrar diferença estatisticamente significante.

Notas de tradução: 

Traduzido por: Hugo Hyung Bok Yoo, Unidade de Medicina Baseada em Evidências da Unesp, Brazil Contato: portuguese.ebm.unit@gmail.com

Share/Save