As intervenções musicais podem beneficiar pacientes com cancro?

A questão
O cancro pode resultar num grande sofrimento emocional, físico e social. O tratamento atual do cancro incorpora cada vez mais intervenções psicossociais para melhorar a qualidade de vida. Musicoterapia e música medicina intervenções têm sido utilizadas para aliviar os sintomas e efeitos colaterais do tratamento e precisa de endereço psicossocial em pessoas com câncer. Nas intervenções da músicas na medicina, a pessoa simplesmente ouve música pré-gravada que é oferecida por um profissional da saúde. Musicoterapia requer a implementação de uma intervenção de música por uma musicoterapeuta treinado, a presença de um processo terapêutico e o uso de experiências de música pessoalmente sob medida.

O objectivo da revisão
O objectivo da revisão é de atualizar uma revisão de Cochrane de 2011, que incluiu 30 estudos e encontrou apoio para um efeito de intervenções de música em vários resultados físicos e psicológicos. Para esta atualização procuramos ensaios adicionais, estudando o efeito das intervenções de música sobre os resultados físicos e psicológicos em pessoas com cancro. Procuramos por estudos publicados e em curso até janeiro de 2016. Consideramos que todos os estudos em que a musicoterapia ou música médica foi comparada com o tratamento padrão sozinho ou combinado com outros tratamentos ou placebo.

Quais são as principais conclusões?
Identificámos 22 novos estudos, e assim esta revisão atualizada agora incide sobre 52 estudos com 3.731 participantes. Os achados sugerem que a musicoterapia e as intervenções de música médica podem ter um efeito benéfico sobre a ansiedade, dor, fadiga, frequência cardíaca, frequência respiratória e pressão arterial em pessoas com cancro. Por causa da muito baixa qualidade da evidência para a depressão, é pouco claro o possível impacto das intervenções de música. Musicoterapia, mas não as intervenções da música médica podem melhorar a qualidade de vida das pessoas. Não encontramos evidência que as intervenções de música melhoram o humor, mau-estar ou funcionamento físico, mas poucos estudos investigaram estes efeitos. Não podemos tirar quaisquer conclusões sobre o efeito das intervenções de música sobre funcionamento imunológico, coping, resiliência ou resultados sobre a comunicação porque não havia estudos suficiente a investigar estas questões. Portanto, é necessária mais investigação.

Nenhum efeitos adverso das intervenções de música foi reportado.

Qualidade da evidência
maioria dos julgamentos foram de alto risco de viés, assim que estes resultados devem ser interpretados com cautela. Nós não identificámos qualquer conflito de interesses nos estudos incluídos.

Quais são as conclusões?
Podemos concluir que as intervenções de música podem ter efeitos benéficos sobre a ansiedade, dor, fadiga e qualidade de vida em pessoas com cancro. Para além disso, a música pode ter um pequeno efeito positivo na frequência cardíaca, frequência respiratória e pressão arterial. Redução da ansiedade, fadiga e dor são resultados importantes para as pessoas com cancro, uma vez que têm um impacto sobre a saúde e a qualidade de vida em geral. Portanto, recomendamos que se considere a inclusão de musicoterapia e intervenções de música médica no tratamento psicossocial do cancro.

Notas de tradução: 

Tradução por: Gonçalo S Duarte, Laboratório de Farmacologia Clínica e Terapêutica, Faculdade de Medicina, Universidade de Lisboa, com o apoio da Cochrane Portugal

Tools
Information
Compartilhar/salvar