Meias de compressão para prevenir a trombose venosa profunda em viagens aéreas

Introdução

Nos últimos anos, houve interesse crescente em saber se as meias de compressão (ou "meias de voo") reduzem o risco de trombose venosa profunda (TVP, coágulo de sangue nas veias das pernas) e de outros problemas circulatórios nos passageiros que viajam de avião. As meias devem ser usadas durante todo o voo e são parecidas com aquelas que são usadas por pacientes que ficam deitados na cama após uma operação. As meias de compressão fazem uma pressão suave na altura do tornozelo e assim ajudam o sangue a fluir. A pressão da meia, junto com o movimento da perna, ajudam o sangue a fluir das veias superficiais para dentro das veias profundas e então retornar para o coração. Essa circulação do sangue reduz o risco de a pessoa formar coágulos nas veias profundas das pernas, o que poderia ser fatal se o coágulo se soltar da veia e entrar nos pulmões.

Características do estudo e principais resultados

Incluímos nesta revisão todos os estudos publicados até fevereiro de 2016. Esta versão atual da revisão incluiu 11 estudos (2.906 participantes). Pudemos combinar os dados de 9 estudos (2.637 participantes). Cerca de metade dos participantes foi sorteada para usar meias em um voo com duração de pelo menos cinco horas, enquanto a outra metade não usou meias.

Nenhum dos passageiros desenvolveu TVP com sintomas (dor que surge devagar, inchaço e aumento da temperatura nas pernas) nem eventos graves como coágulos de sangue nos pulmões (embolia pulmonar) ou morte. Os passageiros foram cuidadosamente avaliados após o voo para detectar quaisquer problemas com a circulação do sangue em suas pernas, mesmo se eles mesmos não tivessem notado problemas. O uso de meias de compressão levou a uma grande diminuição do risco de a pessoa ter TVP assintomática entre os passageiros sorteados para usar meias de compressão, em comparação com aqueles sorteados para não usá-las. Esta diferença na TVP assintomática entre os dois grupos é equivalente a uma redução no risco de algumas dezenas por mil passageiros para dois ou três por mil passageiros. As pessoas que usaram meias tiveram menos inchaço nas pernas (edema) do que aqueles que não usaram. Menos passageiros que usaram a meia tiveram risco de desenvolver trombose venosa superficial do que aqueles que não usaram a meia. Nem todos os estudos informaram sobre possíveis problemas com o uso das meias, mas, naqueles que o fizeram, os pesquisadores disseram que as meias foram bem toleradas, sem nenhum tipo de problema.

Qualidade da evidência

Há evidência de alta qualidade de que o uso de meias de compressão reduz o desenvolver TVP assintomática e há evidência de baixa qualidade de que o uso da meia reduz o inchaço nas pernas. A qualidade da evidência foi rebaixada devido à forma como o inchaço foi medido. Há evidência de qualidade moderada de que o uso das meias pode reduzir a trombose venosa superficial. Não podemos avaliar o efeito do uso dessas meias sobre os riscos de morte, embolia pulmonar ou TVP sintomática porque nenhum desses eventos ocorreu nos estudos incluídos nesta revisão. Para avaliar esses eventos, seria necessário incluir um número muito grande de pessoas nos estudos randomizados.

Conclusões dos autores: 

Há evidência de alta qualidade de que o uso de meias de compressão pelos passageiros de transportes aéreos reduz substancialmente a incidência de TVP assintomática. Há evidência de baixa qualidade de que o uso dessas meias reduz o edema da perna; a qualidade da evidência foi rebaixada devido à forma de medir o edema. Há evidência de qualidade moderada de que o uso dessas meias reduz a trombose venosa superficial. Não pudemos avaliar o efeito do uso dessas meias sobre os riscos de morte, embolia pulmonar ou TVP sintomática devido à ausência desses eventos nos estudos incluídos na revisão. Para avaliar esses desfechos, os estudos randomizados teriam de incluir um número muito grande de pessoas.

Leia o resumo na íntegra...
Introdução: 

As viagens aéreas podem aumentar o risco de trombose venosa profunda (TVP). Foi sugerido que usar meias de compressão pode reduzir esse risco. Esta é uma atualização da revisão publicada pela primeira vez em 2006.

Objetivos: 

Avaliar os efeitos do uso ou não de meias de compressão para prevenir a TVP em pessoas que viajam em voos com duração de pelo menos quatro horas.

Estratégia de busca: 

Para esta atualização, a especialista em buscas da Cochrane Vascular pesquisou o Specialised Register (em 10 de fevereiro de 2016) e o Cochrane Register of Studies (CENTRAL (2016, Issue 1).

Critérios de seleção: 

Incluímos nesta revisão ensaios clínicos randomizados que compararam passageiros que usaram meias de compressão versus os que não usaram essas meias, em voos com duração de pelo menos quatro horas. Também incluímos estudos em que os passageiros usaram meia em apenas uma perna ou que compararam meias com outra intervenção.

Coleta dos dados e análises: 

Dois revisores, trabalhando de forma independente, selecionaram os estudos a serem incluídos e extraíram os seus dados. Quando necessário, contatamos os autores dos estudos originais para obter informações adicionais.

Principais resultados: 

Um novo estudo preencheu os critérios de inclusão para esta atualização. A versão atual desta revisão inclui 11 estudos randomizados (n = 2.906). Nove estudos (n = 2.821) compararam o uso de meias de compressão progressiva em ambas as pernas versus seu não uso; um estudo (n = 50) comparou o uso de meia-calça de compressão progressiva com seu não uso; e um estudo (n = 35) comparou o uso de meias de compressão progressiva em uma das pernas para o voo de ida e na outra perna para o voo de volta. Oito estudos incluíram pessoas de baixo ou médio risco para TVP (n = 1.598) e dois estudos incluíram participantes de alto risco (n = 1.273) para TVP. Todos os voos duraram mais de cinco horas.

Dentre os 2.637 participantes com dados de seguimento disponíveis, 50 tiveram TVP assintomática: 3 usavam meias e 47 não (OR 0,10, IC95% 0,04 a 0,25, p < 0,001, evidência de alta qualidade). Em três estudos não houve nenhuma TVP assintomática. Dentre as 1.804 pessoas, 16 desenvolveram trombose venosa superficial: 4 usaram meias e 12 não (OR 0,45, IC95% 0,18 a 1,13, p = 0,09, evidência de qualidade moderada). Nenhum caso de óbito, embolia pulmonar ou TVP sintomática foi relatado. O uso de meias teve um impacto significativo na redução do edema (MD -4,72, IC95% -4,91 a -4,52; 6 estudos; evidência de baixa qualidade). Outros dois estudos também encontraram redução do edema no grupo que utilizou meias, mas não puderam ser incluídos na metanálise porque utilizaram métodos diferentes para medir o edema. Não foram relatados efeitos adversos significativos.

Notas de tradução: 

Traduzido pelo Cochrane Brasil (Luana Pompeu dos Santos Rocha). Contato: tradutores@centrocochranedobrasil.org.br

Tools
Information
Share/Save